July 3, 2013 / 11:35 AM / 5 years ago

PMDB sugere que Dilma reduza número de ministérios

BRASÍLIA, 3 Jul (Reuters) - O PMDB, maior partido aliado do governo no Congresso, sugeriu à presidente Dilma Rousseff a redução do número de ministérios com “vistas à redução de custos e à austeridade”, segundo um trecho da nota emitida pela comissão executiva do partido na noite de terça-feira.

A longa reunião comandada pelo vice-presidente Michel Temer também serviu para debater a proposta de plebiscito apresentada por Dilma ao Congresso para realização de uma reforma política e o posicionamento do PMDB frente à onda de manifestações populares que levaram milhares de pessoas às ruas nas últimas semanas.

A nota diz que a comissão executiva decidiu propor “a redução do número de Ministérios”.

“Sabe-se de competência exclusiva da presidenta da República. Nossa proposta é feita com vistas à redução dos custos e à austeridade, mantendo-se os ganhos das políticas públicas conquistados pelos ministérios que forem extintos”, diz a nota.

Na terça-feira, a bancada do PMDB na Câmara dos Deputados já havia se reunido e aprovado uma posição pública semelhante e chegou a citar em outra nota que se fosse necessário, o partido poderia, inclusive, abrir mão das pastas que comanda atualmente -- os ministérios de Minas e Energia, Agricultura, Aviação Civil, Turismo e Previdência.

O PMDB também decidiu apoiar a bandeira de um pacto federativo para desconcentrar “os recursos para que os governos municipais e estaduais possam aumentar seus investimentos em suas políticas públicas”.

Em relação à proposta da presidente para realizar uma reforma política, os peemedebistas disseram que são a favor de uma consulta popular, mas não necessariamente por meio de plebiscito, e também disseram que querem perguntar à população sobre a possibilidade de reeleição ou não para mandatos no Executivo.

“Aprovar consulta popular, Plebiscito ou Referendo, para a definição de reforma política que faça nascer um sistema político compatível com suas aspirações, abordando, entre outros, temas como: reeleição, tempo de mandato e sistema eleitoral”, diz a nota.

“Se, antes da consulta plebiscitária, o Congresso Nacional formalizar projeto pronto e acabado de uma reforma política, que terá nosso apoio para ser votado e, após, levado a referendo popular”, de acordo com a nota.

Dilma propôs a realização de um plebiscito, que divide outros partidos aliados no Congresso, para fazer a reforma política como forma de responder às demandas dos protestos recentes.

O maior partido aliado do governo no Congresso também formalizou posição para aprovar o projeto de lei que destina a aplicação equivalente a 10 por cento das receitas correntes brutas da União na Saúde.

Reportagem de Jeferson Ribeiro

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below