14 de Julho de 2013 / às 19:14 / em 5 anos

Forças de paz do Quênia facilitaram exportação ilegal de carvão somali, diz ONU

Por Louis Charbonneau

NAÇÕES UNIDAS, 14 Jul (Reuters) - Um relatório confidencial de monitores da ONU acusa soldados quenianos das forças de paz da União Africana na Somália de facilitar exportações ilegais de carvão vegetal a partir da cidade portuária de Kismayu, um negócio que gera milhões de dólares por ano para militantes islâmicos que buscam derrubar o governo.

A fracassada proibição da venda do carvão somali destacada no relatório mostra as dificuldades de cortar a fonte de financiamento dos militantes do grupo Al Shabaab e de assegurar o cumprimento das sanções da Organização das Nações Unidas.

O Exército queniano negou as alegações do último relatório anual da ONU sobre ao comitê de sanções do Conselho de Segurança sobre Somália e Eritreia. O relatório foi feito antes dos conflitos em Kismayu.

Naquela batalha, militantes rivais lutaram pelo controle da cidade portuária estratégica, depois que Ahmed Madobe, líder da milícia Ras Kamboni e um ex-senhor da guerra islâmico, se tornou líder da região Jubaland, que inclui Kismayu, em maio.

A situação continua tensa, embora o governo de Mogadíscio, que inicialmente se opôs a Madobe, tem deixado que ele permaneça como líder interino.

Kismayu é um prêmio lucrativo para líderes de clãs, com receitas generosas das exportações de carvão vegetal, taxas portuárias e impostos sobre armas e outras importações ilegais.

O Conselho de Segurança proibiu a exportação de carvão da Somália em fevereiro do ano passado para cortar uma das principais fontes de renda da Al Shabaab, que vem lutando pelo controle da Somália há anos e que aplica uma versão rigorosa da lei islâmica Sharia nas áreas que ocupa.

Forças quenianas da Missão da União Africana para a Somália (Amisom), que tem um mandato do Conselho de Segurança da ONU e recebe financiamento da União Europeia e dos Estados Unidos, ajudaram o governo somali a retomar o controle de Kismayu quando os militantes ligados à Al Qaeda fugiram em setembro do ano passado.

Mais tarde, a União Africana pediu imediatamente para que o Conselho de Segurança suspendesse a proibição para a exportação de carvão vegetal pelo menos temporariamente.

O Quênia apoiou a ideia, argumentando que a irritação dos comerciantes de carvão de Kismayu poderia ameaçar a segurança de suas tropas. O Grupo de Monitoramento, que informa sobre o cumprimento de sanções na Somália e Eritreia, contestou a análise do governo queniano.

“O argumento de que um grupo de comerciantes de carvão constituía uma ameaça maior para a Força de Defesa do Quênia do que o grupo Al Shabaab, que acabara de ser retirada de Kismayu, foi difícil de engolir”, disse o grupo em um anexo do relatório anual, que foi visto pela Reuters.

“Ao invés, era muito mais provável que a exportação de carvão vegetal poderia exacerbar as tensões de clãs e os interesses nos recursos, levando a uma condição maior de conflito”, afirmou o grupo no relatório, que contém quase 500 páginas com todos seus anexos.

“E isso é precisamente o que aconteceu na sequência”.

Reportagem adicional de Abdi Sheikh, em Mogadíscio; e de James Macharia, em Nairóbi

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below