July 18, 2013 / 4:50 PM / 5 years ago

Rio vai reavaliar formas de controlar manifestações após vandalismo

RIO DE JANEIRO, 18 Jul (Reuters) - As forças de segurança pública do Rio de Janeiro anunciaram nesta quinta-feira que vão reavaliar os procedimentos utilizados para controlar as manifestações de rua, após a ocorrência de novos incidentes violentos e a poucos dias da visita do papa Francisco à capital fluminense.

“O que se faz é analisar criteriosamente o que aconteceu. Refazer um planejamento para uma próxima manifestação que esteja marcada, analisar efetivamente onde nós podemos melhorar, o que faltou, e executar esse planejamento”, afirmou o secretário de Segurança do Estado, José Mariano Beltrame, em entrevista à imprensa, após reunião de emergência convocada pelo governador Sérgio Cabral (PMDB) com a cúpula de segurança do Estado no Palácio Guanabara.

Na quarta-feira à noite, a violência se espalhou pelas ruas dos bairros de Ipanema e Leblon (zona sul), onde uma manifestação reuniu centenas de pessoas na esquina da rua em que reside o governador. Houve depredação de estabelecimentos comerciais, bancos e focos de incêndio.

Para responder à ameaça de violência, o comandante da Polícia Militar do Rio, coronel Erir Ribeiro Costa Filho, defendeu uma maior utilização de armamento não-letal.

“Uma coisa nós temos certeza. O que foi pactuado na Secretaria de Direitos Humanos com a OAB e Anistia Internacional, não deu certo. Então hoje nós já vamos sentar para reavaliar”, afirmou o comandante da PM.

“Como é que a polícia vai controlar uma turba sem arma não-letal?”, questionou.

Após receber críticas sobre sua atuação e reunir-se nesta semana com representantes do governo e da sociedade civil, a PM havia dito que iria moderar a utilização de armas não-letais, como o gás-lacrimogênio. Para o coronel, os acontecimentos da noite de quarta-feira provam que essa atitude prejudica a repressão a atos de vandalismo.

Em nota, o governador Sérgio Cabral disse nesta quinta que os atos de vandalismo registrados “são uma afronta ao Estado Democrático de Direito”. E reiterou que o governo garante, através das forças de Segurança Pública, “não só o direito à livre manifestação, como também o direito de ir e vir e à proteção ao patrimônio público e privado”.

Ao falar da estratégia de segurança diante de possíveis manifestações durante a visita do papa Francisco ao Rio, a partir do dia 22, o secretário Beltrame disse que o esquema de segurança para o evento está pronto, de acordo com a agenda divulgada pelo Vaticano, e permanece inalterado, embora tenha reconhecido que “as ações são flexíveis”.

Por Felipe Pontes

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below