August 1, 2013 / 1:05 PM / in 5 years

Mais de mil pessoas morreram em julho no Iraque, recorde desde 2008, diz ONU

BAGDÁ, 1 Ago (Reuters) - Mais de mil iraquianos foram mortos por causa da violência sectária em julho, maior cifra em um mês desde 2008, disse a ONU nesta quinta-feira, em meio à intensificação da insurgência sunita contra o governo dominado pelos xiitas.

A maioria das 1.057 vítimas era composta por civis apanhados pela incessante série de atentados a bombas e tiros, numa situação que leva alguns iraquianos a temerem mais uma guerra no país.

“Não víamos números assim há mais de cinco anos, quando a ira cega do conflito sectário que infligiu feridas tão profundas a este país estava finalmente amainando”, disse em nota Gyorgy Busztin, representante interino da ONU no Iraque.

Ele pediu aos líderes iraquianos que ajam de forma rápida e firme para conter o “insensato derramamento de sangue” e impedir um retorno aos “dias sombrios” de 2006-07, quando mais de 3.000 pessoas chegavam a ser mortas por mês.

Nos últimos anos, a violência diminuiu, e o sólido aumento da produção petrolífera deixou o país mais rico. No entanto, a guerra civil na vizinha Síria inflamou as tensões sectárias em toda a região e revigorou os insurgentes sunitas do Iraque, o que inclui a Al Qaeda.

Desde o começo do ano, o número de mortos em ataques militantes no Iraque já chega a 4.137.

Reportagem de Raheem Salman

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below