August 24, 2013 / 8:44 PM / 4 years ago

Obama pondera possível resposta militar depois de ataque químico na Síria

Por Oliver Holmes e Roberta Rampton

WASHINGTON/BEIRUTE, 24 Ago (Reuters) - O presidente dos EUA, Barack Obama, considerou opções neste sábado para um possível ataque militar contra a Síria, em resposta a um ataque com gás neurotóxico que matou centenas de pessoas, enquanto a Síria tenta evitar a culpa, dizendo que seus soldados haviam encontrado armas químicas em túneis de rebeldes.

Um alto funcionário da ONU chegou em Damasco para buscar acesso dos inspetores ao local do ataque de quarta-feira passada que, segundo a oposição, matou entre 500 a mais de 1.000 civis com gás disparado por forças pró-governo.

No relato mais autorizado até agora, a organização Médicos Sem Fronteiras (MSF) disse que três hospitais próximos a Damasco relataram 355 mortes, num período de três horas, e cerca de 3.600 admissões com sintomas de intoxicação por gás neorotóxico.

As contas e imagens de vídeo das vítimas - homens, mulheres e crianças - têm aumentado os pedidos ocidentais para uma robusta resposta, liderada pelos EUA após 2 anos e meio de inação internacional em um conflito que já matou 100.000 pessoas.

Forças Armadas dos EUA e assessores de segurança nacional se reuniram com Obama na Casa Branca no sábado para considerar as opções de resposta, um dia depois de Washington dizer que vai realinhar forças no Mediterrâneo, para dar-lhe a opção de atacar a Síria.

Obama, muito hesitante em intervir, disse em uma entrevista transmitida pela CNN na sexta-feira que os Estados Unidos ainda estavam reunindo informações sobre o ataque.

Ele observou, porém, que o uso de armas químicas em grande escala iria começar a “chegar a alguns interesses nacionais fundamentais que os Estados Unidos têm, tanto em termos de nos certificar de que as armas de destruição em massa não estão se proliferando, bem como a necessidade de proteger nossos aliados, nossas bases na região”.

OPÇÕES MILITARES

Entre as opções militares sob consideração estão ataques com mísseis em unidades sírias que seriam responsáveis por ataques químicos, ou em forças aéreas de Assad e sites de mísseis balísticos, disseram autoridades norte-americanas. Tais ataques podem ser lançados de navios dos EUA ou de aviões de combate capazes de disparar mísseis de fora do espaço aéreo sírio, evitando assim as defesas aéreas sírias.

Grandes potências mundiais - incluindo a Rússia, o principal aliado de Assad, que há muito tempo bloqueou a intervenção patrocinada pela ONU contra ele - pediram que o líder sírio coopere com os inspetores de armas químicas da ONU em Damasco.

A Síria acusa rebeldes de encenar o atentado para provocar a intervenção. A televisão estatal disse que os soldados haviam encontrado armas químicas no sábado em túneis que tinham sido usados ​​por rebeldes.

Separadamente, a agência de notícias estatal SANA disse que os soldados tinham “sofrido de casos de asfixia”, quando os rebeldes usaram gás venenoso “como último recurso”, depois de as forças do governo obterem “grandes ganhos” contra eles no subúrbio de Jobar, em Damasco.

O líder da oposição síria Coalizão Nacional, Ahmad al-Jarba, e o chefe do rebelde Exército Livre Sírio, general Salim Idriss, negaram neste sábado que os rebeldes usaram armas químicas.

Numa coletiva de imprensa em Istambul, Idriss disse que os rebeldes iriam responder, mas não com “crimes semelhantes”.

Jabra disse que a “causa mais importante” do ataque era o silêncio e a inação da comunidade internacional, especialmente no Ocidente.

Uma conferência entre 25 a 27 de agosto com chefes militares dos Estados Unidos, Jordânia, seus principais aliados ocidentais e da Turquia, Arábia Saudita e Catar, destinada a ajudar a conter as consequências de uma guerra para além das fronteiras da Síria, ganhou urgência adicional depois do ataque com gás.

ESPERANDO POR OBAMA

“Estávamos esperando para falar, principalmente, sobre a estabilização na Jordânia”, disse uma fonte de defesa europeia. “Em vez disso, ele (a conferência) será dominado pela Síria. Está tudo realmente à espera dos norte-americanos e o que eles decidirem que querem fazer ...”

“Houve discussões, mas até agora elas têm sido muito inconclusivas. A medida que a escala do que aconteceu em Damasco torna-se clara, isso pode mudar”, disse a fonte.

A representante da ONU para Assuntos de Desarmamento Angela Kane chegou em Damasco para pressionar pelo acesso ao local.

“A solução é óbvia. Há uma equipe das Nações Unidas em terra, a poucos quilômetros de distância. Deve ser rapidamente permitido ir ao local para realizar os testes necessários, sem impedimentos”, disse o chanceler francês, Laurent Fabius, durante uma visita aos territórios palestinos.

O ministro das Relações Exteriores alemão, Guido Westerwelle, disse que Berlim espera que a Rússia “aumente a pressão sobre Damasco para que os inspetores possam investigar de forma independente”.

Enquanto alguns dos aliados dos Estados Unidos na OTAN, incluindo a França, a Grã-Bretanha e Turquia, explicitamente culpam as forças de Assad pelo ataque químico, a Rússia disse que os rebeldes estavam impedindo um inquérito e que Assad não teria nenhum interesse em utilizar gás venenoso por medo de intervenção estrangeira.

O presidente do Irã, Hassan Rouhani, aliado mais poderoso de Assad no Oriente Médio, reconheceu pela primeira vez no sábado que as armas químicas mataram pessoas na Síria e apelou à comunidade internacional para impedir a sua utilização.

Reportagem adicional de Megan Davies, em Moscou, John Irish, em Paris, Madeline Chambers, em Berlim, Yeganeh Torbani, em Dubai, Asli Kandemir e Dasha Afanasieva, em Istambul

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below