August 28, 2013 / 4:29 PM / 4 years ago

Premiê egípcio recua em ideia de dissolver Irmandade Muçulmana

CAIRO, 28 Ago (Reuters) - O Egito não deveria banir a Irmandade Muçulmana nem excluí-la da política depois da derrubada pelos militares do presidente islamita Mohamed Mursi, disse na terça-feira o primeiro-ministro interino, revertendo sua opinião declarada anteriormente.

A aparente reviravolta alimentou especulações de que o governo militar pode agora buscar um acordo político para a crise, mas também coincidiu com um novo pedido por protestos pelos partidários de Mursi.

Hazem el-Beblawi, o primeiro-ministro interino, propôs em 17 de agosto que a Irmandade, o grupo islâmico mais influente e antigo do mundo, deveria ser dissolvida, e disse que o governo estudava a ideia.

Em uma entrevista para a mídia estatal na noite de terça-feira Beblawi pareceu voltar atrás, dizendo que o governo iria em vez disso monitorar o grupo e sua ala política e que as ações de seus membros iriam determinar seu destino.

“Dissolver o partido ou o grupo não é a solução e é errado tomar decisões em situações turbulentas”, disse Beblawi segundo a agência de notícias MENA.

“O melhor para nós é monitorarmos os partidos e os grupos no âmbito da ação política sem dissolvê-los ou fazê-los agir em segredo.”

Não houve sinal da Irmandade, cuja maior parte dos líderes está agora na prisão ou foragido, de que quer se engajar com o establishment do Exército que a derrubou pela força.

Fundada em 1928, a Irmandade foi banida pelos então governantes militares do Egito em 1954. Embora ainda fora-da-lei durante os 30 anos de governo de Hosni Mubarak, ela dirigia uma ampla rede social e seus membros concorriam como independentes nas limitadas eleições.

Depois de décadas operando nas sombras e obtendo apoio para suas caridades e ensinamentos, a Irmandade se registrou como uma organização não-governamental em março em resposta a um desafio no tribunal por pessoas que contestavam sua legalidade.

O grupo também tem um braço político registrado, o Partido da Liberdade e Justiça, criado em 2011 depois da queda de Mubarak em um levante. A Irmandade ganhou todas as cinco eleições nacionais desde 2011, inclusive a eleição de Mursi para a Presidência em 2012.

Mas Mursi deixou muitos egípcios de lado durante seu primeiro ano no poder e, depois de protestos maciços contra ele, as Forças Armadas o removeram em 3 de julho.

Mais de 1.000 pessoas, inclusive cerca de 100 policiais e soldados, foram mortos desde então na pior violência interna na história da República egípcia. A maioria morreu quando as forças de segurança dispersaram dois acampamentos de protesto pró-Mursi em 14 de agosto. A mídia estatal descreveu a repressão como uma guerra ao “terrorismo”.

Com a Irmandade em choque, os protestos incitados pelo grupo na sexta-feira passada não chegaram a se materializar em sua maior parte.

A Coalizão Nacional para Apoiar a Legitimidade e Rejeitar o Golpe, que inclui a Irmandade e exige a volta de Mursi ao poder, prometeu protestos nas ruas e praças de todas as 27 províncias do Egito nesta sexta-feira, e disse que iria “ativar um plano de desobediência civil pacífica”.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below