September 2, 2013 / 2:28 PM / 5 years ago

Cresce disparidade na expectativa de vida feminina entre países ricos e pobres

Por Stephanie Nebehay

Mães amamenam seus recém-nascidos em um hospital de Manila, Filipinas. A expectativa de vida para mulheres com mais de 50 anos melhorou, mas a disparidade entre as mulheres dos países ricos e pobres está crescendo e deve se agravar se não houver melhoras na detecção e tratamento de doenças cardiovasculares e cânceres, disse a Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta segunda-feira. 5/08/2013. REUTERS/Romeo Ranoco

GENEBRA, 2 Set (Reuters) - A expectativa de vida para mulheres com mais de 50 anos melhorou, mas a disparidade entre as mulheres dos países ricos e pobres está crescendo e deve se agravar se não houver melhoras na detecção e tratamento de doenças cardiovasculares e cânceres, disse a Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta segunda-feira.

Um estudo da OMS, um dos primeiros a analisar as causas de mortes de mulheres mais velhas, concluiu que os óbitos por doenças não transmissíveis —especialmente cânceres de estômago, cólon, mama e colo do útero— tiveram forte queda nas últimas décadas nos países mais ricos.

Nos países de baixas e média renda as mulheres também estão vivendo mais, mas doenças crônicas, como o diabete, causam mortes mais precoces do que nos países ricos.

“A disparidade na expectativa de vida entre essas mulheres nos países ricos e pobres está crescendo”, disse o estudo da OMS, contido em um boletim mensal da entidade sobre a saúde feminina.

Segundo a OMS, essa disparidade entre países ricos e pobres se aplica também no caso de homens com mais de 50 anos.

John Beard, diretor do departamento de envelhecimento da OMS, disse em entrevista na sede da entidade que o estudo mostra a necessidade de maiores cuidados preventivos nos países de baixa e média renda.

“O sucesso no mundo rico sugere que (o aumento da expectativa de vida) se dá pela prevenção e tratamento de doenças não transmissíveis”, afirmou.

Em maio, ministros da Saúde de 194 países da OMS decidiram adotar um plano global de ação para a prevenção e controle de doenças não transmissíveis.

Segundo a OMS, as doenças não transmissíveis —como infartos, derrames e diabete— matam hoje menos mulheres acima dos 50 anos do que há 30 anos nos países ricos, o que contribuiu decisivamente para o aumento na expectativa de vida. Idosas na Alemanha e Japão têm atualmente uma expectativa de vida de 84 e 88 anos, respectivamente, enquanto na África do Sul e México a expectativa cai para 73 e 80.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below