September 30, 2013 / 10:23 AM / 5 years ago

Congresso dos EUA permanece tranquilo enquanto paralisação se aproxima

Por David Lawder e Richard Cowan

WASHINGTON, 29 Set (Reuters) - Com a aproximação do fim do prazo limite de segunda-feira à meia-noite para evitar uma paralisação do governo federal, o edifício do Congresso dos Estados Unidos estava estranhamente calmo neste domingo, com salas trancadas, parlamentares inacessíveis e os dois partidos esperando que o outro dê algum sinal.

Os democratas do Senado dos EUA decidiram não aceitar a medida aprovada neste domingo pela maioria republicana da Câmara dos Deputados, que adia em um ano a lei de saúde do presidente Barack Obama, o “Obamacare”.

Após um dia de debates acalorados e acusações no sábado, a Câmara também revogou um imposto que poderia gerar cerca de 30 bilhões de dólares em mais de dez anos para ajudar a financiar o programa de saúde de Obama.

Em um sinal de que os parlamentares estariam inclinados à paralisação, a Câmara de Representantes aprovou, por unanimidade, um projeto de lei para manter o pagamento de soldados norte-americanos caso o governo fique sem recursos no início do novo ano fiscal, em outubro.

Enquanto agências federais ficam a um passo de fechar suas portas, o impasse é um prenúncio da próxima grande batalha política: um projeto de lei para elevar a capacidade de endividamento do governo.

O fracasso em elevar o teto da dívida até o meio de outubro poderia levar o país a deixar de pagar algumas de suas obrigações, podendo lesar a economia dos EUA e afetar a economia mundial.

O Senado, que se reúne na próxima segunda-feira, vai manobrar para retirar as emendas que atrasam o “Obamacare” e enviar e volta uma lei de financiamento “limpa”, conhecida como resolução contínua, ou CR (na sigla em inglês), que ganhou aprovação pelo Senado na semana passada. Esse projeto mantém o governo financiado até 15 de novembro.

“Não há ‘pingue-pongue’. Os republicanos da Câmara precisam apenas decidir se aprovam nosso CR ou paralisam o governo”, disse um assessor de um senador democrata neste domingo.

Ainda assim, nenhum dos lados quer ser o último a dar o voto que resultaria em uma paralisação, preocupação que transformou a medida em uma “batata-quente” entre as duas Casas. Pesquisas mostram que a população norte-americana está cansada de confrontos políticos e é contrária a uma paralisação.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below