September 30, 2013 / 12:15 PM / 5 years ago

Homens armados matam 3 policiais egípcios no Sinai

Por Maggie Fick

CAIRO, 30 Set (Reuters) - Homens armados mataram três policiais na instável região egípcia da Península do Sinai, nesta segunda-feira, disseram fontes da área de segurança, e um grupo militante islâmico divulgou um vídeo de um ataque anterior contra um coronel do Exército.

Fontes de segurança confirmaram que homens armados mataram o coronel, identificado como Mohamed al-Komi, em 14 de agosto, em uma estrada deserta perto da cidade de Ismailia, no Canal do Suez.

O Sinai transformou-se em uma grande dor de cabeça de segurança para as autoridades egípcias desde que as Forças Armadas derrubaram o presidente Mohamed Mursi, da Irmandade Muçulmana, em julho.

Ataques quase diários de militantes inspirados na Al Qaeda mataram mais de 100 membros das forças de segurança desde a derrubada de Mursi, disse um porta-voz do Exército em 15 de setembro.

A instabilidade no Sinai preocupa os governos ocidentais porque a região faz fronteira com Israel e flanqueia o estratégico Canal do Suez, a rota marítima mais rápida entre a Ásia e a Europa.

O Sinai é difícil de policiar em parte porque faz fronteira com a Faixa de Gaza, que é controlada pelo grupo islamista Hamas, uma ramificação da Irmandade Muçulmana.

O Exército egípcio disse que militantes baseados em Gaza participaram dos ataques na fronteira e acusa o Hamas de fazer muito pouco para proteger a área, alegações que o grupo nega.

No último episódio de violência, homens armados mataram dois policiais enquanto eles tomavam café da manhã em frente a uma delegacia na cidade de El-Arish, no norte do Sinai. Em um ataque separado, um policial que andava pela cidade foi baleado na cabeça e no peito.

Homens armados também mataram um civil na cidade vizinha de Sheikh Zuwaid.

Militantes ocuparam um vácuo de segurança deixado pela queda do autocrata Hosni Mubarak em 2011, mas os ataques aumentaram ainda mais bastante desde a derrubada de Mursi. Ataques em outras partes do Egito provocaram temores de que uma insurgência islâmica poderia se espalhar para além do Sinai.

O grupo Ansar Bayt al-Maqdis, sediado no Sinai, reivindicou a autoria de um ataque a bomba suicida no Cairo contra o ministro do Interior neste mês. O ministro escapou ileso.

Reportagem de Maggie Fick e Omar Fahmy

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below