October 19, 2013 / 2:29 PM / 5 years ago

Turquia rejeita opinião da União Europeia sobre como tratou protestos

ISTAMBUL, 19 Out (Reuters) - A Turquia rejeitou no sábado as críticas da União Europeia sobre a maneira como lidou com os protestos contra o governo no começo do ano, mas disse que um relatório sobre o seu progresso no sentido de se juntar ao bloco mostrou que o país está se aproximando dos padrões democráticos e econômicos europeus.

Na primeira resposta oficial do governo ao relatório da comissão, divulgado na quarta-feira, Egemen Bagis, ministro dos assuntos da UE, disse que o apoio da Comissão Europeia para novas conversas sobre uma nova política da região provou que a Turquia está fazendo progressos no seu processo de reforma.

“Estamos felizes porque o relatório de progresso deste ano destaca as importantes reformas que a Turquia tem feito”, disse Bagis.

“É incontestável que a Turquia está agora, mais perto do que nunca, dos padrões da UE em termos de democracia, direitos humanos e desenvolvimentos econômicos”, ele disse em um comunicado enviado por email.

O relatório sobre os esforços da Turquia para atender aos requisitos e se juntar aos 28 países da UE pode ajudar a dar uma nova vida ao pedido da Turquia de ingressar no bloco.

Mas o relatório também acusou a polícia turca de usar força excessiva para reprimir os protestos contra o governo, no início do ano, e pressionou as autoridades a fortalecerem a supervisão da polícia e a seguir em frente com as investigações sobre a sua conduta.

Os protestos eclodiram em toda a Turquia depois que a polícia dispersou um protesto contra a demolição de uma praça, em Istambul. Seis pessoas morreram e mais de 8 mil ficaram feridas em duas semanas de confrontos, em junho.

Bagis rejeitou as críticas do relatório sobre como o governo lidou com os protestos.

“Achamos que é importante ressaltar que nós jamais enxergaremos esforços que fazem uso da violência e de métodos ilegais contra a paz do nosso país e do nosso povo como uma luta por direitos”, disse ele.

A Turquia começou as negociações com a UE em 2005, 18 anos depois de solicitar a sua adesão. Mas a sua recusa em abrir seus portos para os cipriotas gregos e a oposição pública da Alemanha e França, em deixar que uma nação grande, pobre e muçulmana se junte ao bloco, adiaram o progresso das negociações.

Reportagem de Ayla Jean Yackley

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below