October 20, 2013 / 12:58 PM / 5 years ago

Social-democracia alemã lista exigências para formar coalizão com Merkel

Por Holger Hansen

BERLIM, 20 Out (Reuters) - Líderes do partido social-democrata alemão listaram as suas principais exigências para entrar numa coalizão com Angela Merkel, incluindo temas como salário mínimo, igualdade de salários e imposto sobre transação financeira.

De acordo com um documento interno obtido pela Reuters no domingo, o partido social-democrata vai apresentar 10 exigências não negociáveis, incluindo um salário mínimo de 8,50 euros por hora, salário igual para homens e mulheres, maior investimento em infraestrutura e educação, e estratégia comum para impulsionar o crescimento da zona do euro e do emprego.

O documento foi elaborado por líderes do partido para uma reunião no domingo, na qual cerca de 200 membros seniores de toda a Alemanha votarão sobre a abertura de negociações para formar um governo com os conservadores de Merkel.

O partido também vai exigir pensões iguais para os idosos na antiga Alemanha Oriental e Ocidental, a capacidade de ter dupla cidadania, e medidas para tornar mais fácil combinar o trabalho com a vida familiar.

Não foi feita menção ao aumento de impostos para os alemães mais ricos, proposta defendida pelos sociais-democratas durante a campanha eleitoral, mas que a chanceler já recusou de forma categórica.

O bloco conservador da democrata-cristã Merkel conta com, além do partido dela, a União Social Cristã, da Bavária. Eles foram a força política mais votada nas eleições de 22 de setembro, mas, por poucos assentos, não conseguiram maioria parlamentar, o que os obriga a buscar um parceiro para uma coalizão.

O partido social-democrata, que ficou em segundo nas eleições, distante da votação de Merkel, era visto como o parceiro mais provável. No entanto, o partido está relutante e tenta evitar os erros feitos durante a chamada “grande coalizão” com Merkel (2005-2009).

Depois dessa legislatura, os sociais-democratas tiveram o seu pior resultado eleitoral desde a Segunda Guerra. Muitos ativistas estão céticos com a possibilidade de reeditar a união.

“Agora eu posso garantir que não haverá um acordo de coalizão no qual nós faremos o oposto do que defendemos na eleição”, disse o presidente do partido social-democrata, Sigmar Gabriel, ao jornal alemão Bild no sábado.

Se, como esperado, Gabriel tiver o apoio do partido neste domingo, as negociações de políticas e cargos de uma nova coalizão começariam na quarta-feira e poderiam durar mais de um mês.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below