October 24, 2013 / 9:25 PM / 5 years ago

Dilma considera normal pressão do PMDB; quer frieza em negociação eleitoral

Por Jeferson Ribeiro

BRASÍLIA, 24 Out (Reuters) - A presidente Dilma Rousseff considera “normais” as pressões do PMDB pela definição das alianças regionais, mas a ordem no governo e no núcleo que trata das negociações de palanques nos Estados é para agir “com frieza”, disse à Reuters uma fonte do governo nesta quinta-feira.

Nos últimos dias, ganhou força no PMDB a ideia de antecipar a convenção nacional do partido para março do ano que vem com o objetivo de pressionar o PT e Dilma a se posicionarem logo sobre as disputas estaduais.

“O que não precisa não será definido neste ano. É preciso ter frieza nesse momento”, afirmou a fonte do governo à Reuters sob condição de anonimato.

O grupo que defende a antecipação da convenção nacional do PMDB para março ainda não tem maioria na comissão executiva do partido para mudar a data da convenção, normalmente realizada em junho.

Mas, dependendo do ritmo e dos resultados das negociações com o PT pelos palanques estaduais, essa parte da cúpula partidária pode conseguir a convocação antecipada da convenção.

Na terça-feira, pressionada pelo PMDB, Dilma se reuniu com o vice-presidente Michel Temer, com os senadores Eduardo Braga (PMDB-AM), que também é líder do governo no Senado, e Jader Barbalho (PMDB-PA), e o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, para analisar o quadro eleitoral na região amazônica, mais especificamente no Amazonas e no Pará.

O PMDB quer que Dilma faça mais reuniões desse tipo para comandar as negociações dos palanques estaduais e passe a afiançar esses acertos. “É natural que eles queiram o aval dela para acordos. Mas acho difícil ela entrar em bola dividida. Vai adiar ao máximo”, disse a fonte.

As bolas divididas são as delicadas negociações entre petistas e peemedebistas em Estados como Ceará, Bahia, Rio de Janeiro e Paraná.

Dilma também considera um erro fazer negociações nesse momento porque o PT está no meio do seu processo eleitoral para escolher o futuro presidente.

O líder do PT na Câmara, José Guimarães (CE), também defende que o ritmo das negociações seja mais lento. “Assim como o PMDB tem demandas, nós também temos”, disse à Reuters.

Para ele, o PT só deve se debruçar sobre essas negociações após as eleições internas do partido. “Esse processo está adiantado demais”, argumentou.

Na sexta-feira passada, Temer se reuniu com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e os dois acertaram a criação de uma comissão dos dois partidos para conduzir as negociações sobre as alianças estaduais.

Mas o PMDB parece estar com mais pressa do que o PT.

O governo e Dilma tiveram que trabalhar para cancelar uma reunião que ocorreria na noite de quarta-feira entre Temer e a cúpula peemedebista. Nesse encontro, o vice-presidente seria confrontado formalmente com a ideia de antecipação do calendário eleitoral. Para evitar a saia justa, houve uma articulação para esvaziar o encontro, segundo o auxiliar de Dilma ouvido pela Reuters.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below