December 14, 2013 / 6:18 PM / 4 years ago

Longo caminho de Mandela se aproxima do fim

QUNU, África do Sul, 14 Dez (Reuters) - O corpo de Nelson Mandela chegou neste sábado na casa de seus ancestrais nas colinas do Cabo Oriental, na África do Sul, e foi saudado por cantos e danças dos habitantes locais antes do funeral do líder anti-apartheid no dia seguinte.

À medida que o carro fúnebre levando os restos mortais do primeiro presidente negro da África do Sul surgia no horizonte, multidões às margens da estrada começaram a cantar “Nkosi Sikelel iAfrika” (Deus abençoe a África), o hino nacional adotado pelo país após o fim do apartheid em 1994.

“Estou muito animada e ao mesmo tempo muito magoada porque estou vendo ele pela última vez”, disse Victoria Ntsingo, em meio a barulhos dos helicópteros militares escoltando o cortejo.

“Depois de sua longa vida e doença, que ele agora possa descansar. Madiba está em casa. Seu trabalho está feito”, disse Ntsingo, se referindo a Mandela por seu nome de clã.

Mandela, que morreu no dia 5 de dezembro aos 95 anos, será enterrado na propriedade de sua família após um funeral de Estado no domingo, que combinará pompa militar e rituais tradicionais do clã Xhosa abaThembu. A cerimônia terá a participação de membros da família, líderes nacionais e convidados estrangeiros, incluindo o príncipe britânico Charles e o ativista norte-americano dos direitos civis, reverendo Jessie Jackson.

Será o ato final de dez dias de luto para o “Pai da Nação”, que enfrentou 27 anos de prisão antes de voltar ao cenário político e pregar o perdão e a reconciliação na busca da construção de uma democracia multirracial após o apartheid.

No entanto, em um reflexo das tensões presentes no complicado tecido social pós-apartheid da África do Sul, há indicativos de que a paz reinante em Qunu, aldeia de poucas centenas de casas a 700 km ao sul de Johanesburgo, não se repete em toda a extensão do país de 53 milhões de habitantes.

O arcebispo emérito sul-africano Desmond Tutu, um dos líderes da luta contra a segregação racial, enquanto Mandela estava na prisão, disse que não havia sido convidado para o funeral de ‘Tata’, usando o termo afetivo que na língua Xhosa significa ‘pai’.

“Por mais que eu fosse adorar comparecer à cerimônia para dar meu último adeus a alguém que amei e valorizei, teria sido desrespeitoso com Tata entrar sem convite no que foi informado ser um funeral particular”, disse,

“Se eu, ou meu escritório, tivéssemos sido informados de que eu seria bem-vindo, não perderia por nada no mundo”, disse Tutu, cuja instável relação com o Congresso Nacional Africano (CNA) piorou na última década.

O ministro da Presidência, Collins Chabane, confirmou que nenhum convite específico foi enviado para Tutu, mas disse que a autorização que o religioso recebeu em um memorial na terça-feira o teria permitido, em princípio, a participar do evento em Qunu.

“Nós gostaríamos de reiterar que qualquer pessoa que queira participar do funeral é bem-vinda a fazê-lo”, disse Chabane.

Reportagem de Ed Cropley

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below