December 18, 2013 / 1:27 PM / 4 years ago

Greenpeace diz que anistia russa terá validade para ativistas do Ártico

MOSCOU, 18 Dez (Reuters) - Os 30 ativistas presos na Rússia por protestarem contra a instalação de uma plataforma petrolífera no Ártico podem ser absolvidos graças a uma anistia aprovada por parlamentares russos nesta quarta-feira, disseram advogados e o Greenpeace.

Emendas de última hora no projeto de anistia proposto pelo presidente Vladimir Putin implicam o fim “quase certo” dos processos contra os 30 ativistas, segundo o grupo ambientalista. Além disso, os 26 estrangeiros do grupo, incluindo uma brasileira, poderão deixar a Rússia imediatamente.

A Duma, câmara baixa do Congresso, aprovou por unanimidade a anistia proposta por Putin para marcar o 20º aniversário da Constituição pós-soviética da Rússia. Ativistas de direitos humanos dizem que a anistia atinge apenas uma pequena fração dos mais de meio milhão de prisioneiros do país.

A prisão dos “30 do Ártico”, como o Greenpeace chama o grupo de ativistas, motivou críticas do Ocidente e foi amplamente vista como um sinal de que Putin não irá tolerar qualquer tentativa de impedir a Rússia de explorar os recursos do Ártico.

O arquivamento dos processos eliminaria um dos muitos motivos de irritação do Ocidente com a Rússia a poucas semanas da Olimpíada de Inverno de Sochi, em fevereiro.

Advogados disseram também que duas integrantes da banda punk Pussy Riot --atualmente cumprindo pena de dois anos por causa de um protesto numa catedral de Moscou em 2012-- também deverão ser libertadas.

A previsão inicial é de que elas sejam soltas em março, e não está claro em quanto a pena poderá ser abreviada após a aprovação da anistia.

Os “30 do Ártico” foram presos quando a guarda costeira russa abordou um navio quebra-gelo do Greenpeace, o Arctic Sunrise, após um protesto em 18 de setembro em que alguns ativistas tentaram escalar a plataforma petrolífera Prirazlomnaya, a primeira do país no Ártico.

Eles passaram dois meses detidos em condições precárias, foram impedidos de deixar a Rússia após serem libertados sob fiança, e ainda podem ser condenados a sete anos de prisão pelo crime de vandalismo.

“Posso em breve ir para casa, para minha família, mas jamais deveria ter sido indiciado e preso em primeiro lugar”, disse ao Greenpeace o norte-americano Peter Willcox, capitão do Arctic Sunrise.

Reportagem de Maria Tsvetkova e Steve Gutterman

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below