January 24, 2014 / 7:09 PM / 4 years ago

Com mais aliados nos ministérios, Dilma cria armadilha para eventual 2º mandato

Por Jeferson Ribeiro

BRASÍLIA, 24 Jan (Reuters) - A ampliação do número de partidos aliados no comando dos ministérios pode se tornar uma armadilha para a presidente Dilma Rousseff em um eventual segundo mandato, com a necessidade de acomodar ainda mais interesses, além de dar munição à oposição por inviabilizar uma redução no primeiro escalão do governo.

Atualmente, Dilma tem 39 ministérios para supervisionar. Herdou 37 do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e criou mais dois: a Secretaria de Aviação Civil e a Secretaria das Micro e Pequenas Empresas

A reforma ministerial que fará no fim deste mês vai envolver pelo menos dez pastas, e a presidente trabalha para colocar mais dois partidos no primeiro escalão, o Pros e o PTB. Além disso, PP e PMDB brigam para ampliar o número de ministérios sob seu poder, e o PSD também espera ser atendido, já que hoje comanda apenas a recém-criada Secretaria das Micro e Pequenas Empresas.

O empenho de Dilma ao abrir espaço para novos aliados está ligado à necessidade de montar uma aliança imbatível para se reeleger, na avaliação do cientista político Leonardo Barreto, ex-professor da Universidade de Brasília (Unb).

“Essa composição de partidos (na reforma ministerial) mostra que a preocupação do governo está imediatamente ligada à montagem de uma aliança forte para garantir a reeleição”, disse Barreto à Reuters.

“O fato é que a presidente está criando uma armadilha para o dia 1º de janeiro (de 2015). Esse vai ser um desafio muito claro para a presidente lá na frente. Tem que ver como ela vai fazer para manejar isso lá na frente”, acrescentou.

Para Barreto, Dilma terá muita dificuldade para retirar partidos da Esplanada dos Ministérios caso seja reeleita e, ao seguir apostando numa ampla base no Congresso, terá que dividir o poder com o maior número possível de aliados.

Essa coalizão parlamentar enorme, porém, não foi sinônimo de uma relação tranquila entre Executivo e Legislativo nos três primeiros anos de mandato de Dilma. Mesmo tendo aprovado a maior parte das matérias que propôs ao Congresso, a petista passou todo período sendo pressionada pelos aliados e a articulação política do governo sempre foi apontada como um dos seus principais problemas.

“Isso não é, porém, um problema da Dilma. Todos os governadores e qualquer outro presidente que assuma terá que usar os ministérios para formar maioria no Congresso”, disse Barreto.

“FUNDO DA PANELA”

O ministério de Dilma, classificado como um absurdo político e administrativo pela oposição, estará na mira dos pré-candidatos à Presidência dos partidos de oposição, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e o governador de Pernambuco e presidente do PSB, Eduardo Campos. O socialista inclusive promoveu no final do ano passado uma redução nas secretarias de seu governo de 28 para 21.

Dilma nunca se posicionou publicamente sobre uma possível redução do número de ministérios, mas já foi pressionada até mesmo pelo PMDB, seu maior aliado, a reduzir a máquina administrativa. A Executiva peemedebista aprovou no ano passado, no auge dos protestos populares de junho, uma carta aberta pedindo que a presidente reduzisse o tamanho do ministério.

Meses depois, o líder do PMDB na Câmara, Eduardo Cunha (RJ), apresentou uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) limitando o número de pastas em 20.

O ex-presidente do PSDB deputado Sérgio Guerra (PE) confirma que os tucanos vão elevar as críticas sobre o tamanho da máquina pública, porque isso evidencia a falha gerencial de Dilma e como o país está nas mãos dos interesses políticos.

“Estamos no fundo da panela. Tenho certeza que o país vai reagir a isso. Essa cumplicidade política (do governo com os aliados) é um grande sacrifício ao interesse público”, afirmou o tucano.

Guerra afirma ainda que os candidatos de oposição terão que assumir um discurso de ruptura em relação a esse tema. Ele admite, porém, que não será fácil desmontar a atual estrutura. “Isso criou raízes”, disse.

O professor de ciência política da Fundação Getulio Vargas Fernando Abrúcio avalia que o futuro ministério vai depender da força dos aliados nas urnas.

Abrúcio acredita que Dilma poderá fazer uma nova composição em 2015 porque levará em conta o tamanho de cada partido no Congresso para distribuir poder.

“O que ela está fazendo agora é assegurar uma aliança eleitoral para a campanha e escolhendo nomes que possa controlar nos próximos meses”, disse, descartando que a presidente ficará mais pressionada.

“O futuro ministério dependerá da força que cada aliado obtiver nas urnas”, acrescentou.

Edição de Maria Pia Palermo e Pedro Fonseca

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below