January 30, 2014 / 10:50 AM / 4 years ago

EXCLUSIVO-UE vai lançar negociação para intensificar relações com Cuba

Por Robin Emmott e Fiona Ortiz

BRUXELAS/MADRI, 30 Jan (Reuters) - A União Europeia (UE) vai fechar um acordo no mês que vem para aprofundar as relações com Cuba, na mais significativa aproximação com a ilha comunista desde que o bloco suspendeu as sanções diplomáticas em 2008, disseram à Reuters pessoas próximas às discussões.

Ministros das Relações Exteriores dos 28 países do bloco darão o sinal verde em 10 de fevereiro para o lançamento das negociações com Havana sobre um acordo especial de cooperação para aumentar o comércio, o investimento e o diálogo sobre direitos humanos. O acordo pode ser selado no fim de 2015.

“Cuba quer capital, e a UE quer influência”, disse uma pessoa envolvida nas discussões, que pediu anonimato devido à sensibilidade do tema. “Essa cooperação pode ser o início de muito mais.”

Duas outras pessoas que sabem das negociações disseram à Reuters que um consenso foi alcançado em Bruxelas para dar apoio às reformas do presidente cubano, Raúl Castro, e para posicionar bem as empresas europeias no caso de uma transição a longo prazo para uma economia mais capitalista.

Se o impacto inicial do acordo de cooperação será limitado, o simbolismo dele é enorme para a UE, cujas relações com Cuba não são as melhores desde que o bloco impôs em 2003 sanções ao país por causa da prisão de 75 dissidentes.

Embora a UE tenha suspendido as sanções em 2008, a normalização das relações tem sido difícil por causa da resistência da Polônia e da República Tcheca, devido ao passado comunista dos dois países.

Havana tem rejeitado a “posição comum” do bloco sobre o país, adotada em 1996 para promover direitos humanos e democracia.

Mais ainda, os Estados Unidos, tradicional oponente de Cuba, que mantêm um embargo contra a ilha desde 1962, pressionavam Bruxelas para tentar isolar Havana.

Washington não tentou bloquear os recentes esforços do bloco, disseram pessoas próximas às negociações, enquanto que a Polônia e a República Tcheca agora dão apoio a um acordo.

Num sinal de impaciência com o atual status quo, a Holanda enviou o seu ministro do Exterior à Havana em janeiro. A Espanha também pressiona por mudanças nas relações, desde que Fidel Castro passou o poder para o irmão Raúl em 2008.

Alguns países veem a “posição comum” de 1996 como ultrapassada porque 18 governos do bloco têm acordos bilaterais com Cuba, tornando difícil para UE falar com uma voz só sobre o assunto.

O ministro do Exterior da Espanha, José Manuel García-Margallo, tem frisado que a “posição comum” vai permanecer enquanto a Comissão Europeia negocia o pacto de cooperação.

Um acordo de cooperação, mecanismo que a UE usou no passado para fortalecer relações com a América Central e com a Ásia, não deve aumentar muito o comércio porque Cuba vende pouco para a Europa.

Além de charutos e rum, as exportações cubanas não despertam muito interesse no bloco, mas Bruxelas acredita que o desenvolvimento de negócios comuns é a melhor maneira de promover mudanças em Cuba.

A UE é o maior investidor externo de Cuba e segundo parceiro comercial da ilha, depois da Venezuela. Um terço dos turistas que os cubanos recebem todos os anos vem do bloco.

Reportagem adicional por Adrian Croft

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below