March 10, 2014 / 11:20 PM / 4 years ago

Diplomacia estanca e situação de confronto persiste na Ucrânia

Por Andrew Osborn e Natalia Zinets

SEBASTOPOL/KIEV, 10 Mar (Reuters) - Uma força pró-Rússia abriu fogo nesta segunda-feira ao se apoderar de uma base militar na região ucraniana da Crimeia e a Otan anunciou voos de reconhecimento ao longo de sua fronteira oriental, num momento em que o confronto em torno da península do Mar Negro não dá sinais de que vá diminuir.

Ativistas ucranianos que tentavam atravessar para a Crimeia para demonstrar solidariedade aos opositores da ocupação militar russa disseram ter sido parados por homens usando uniformes da polícia antimotim, agora ilegal no país. Um deles disparou à queima-roupa, atingindo um homem no peito, aparentemente com balas de borracha.

Com a diplomacia em um uma situação de impasse, a Rússia disse que os Estados Unidos rejeitaram um convite para realizar novas negociações sobre a resolução da crise, a pior entre o Leste e o Oeste desde o fim da Guerra Fria.

Posteriormente, o governo norte-americano afirmou que uma reunião de ministros das Relações Exteriores seria possível esta semana se o governo russo mostrar que está disposto a se “engajar”.

A aliança de defesa da Otan, liderada pelos EUA, disse que aeronaves Awacs, de alerta e controle, concebidas para combater temidos ataques de mísseis nucleares soviéticos, iniciarão voos de reconhecimento na terça-feira sobre a Polônia e a Romênia para monitorar a situação na Ucrânia, voando a partir de bases na Alemanha e na Grã-Bretanha.

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, declarou, porém, ao jornal alemão Bild que as potências ocidentais não estão considerando uma ação militar e querem uma solução diplomática. Governos da União Europeia estão estudando sanções contra a Rússia.

O primeiro-ministro ucraniano, Arseny Yatseniuk, que disse que iria fazer um pronunciamento no Conselho de Segurança da ONU na quinta-feira, culpou a Rússia pela crise e acusou o governo russo de minar o sistema de segurança mundial ao assumir o controle da Crimeia.

As novas autoridades judiciais da Ucrânia emitiram mandados de prisão dos líderes pró-Rússia da Crimeia nesta segunda-feira, seis dias antes de um referendo convocado por eles para que a população da região decida se quer se unir à Rússia.

Em pouco mais de uma semana de ocupação, as forças russas assumiram o controle de instalações militares em toda a Crimeia, sede da Frota do Mar Negro da Rússia. A região era parte do território russo até o líder soviético Nikita Kruschev entregá-la à Ucrânia em 1954.

Separatistas pró-russos tomaram o controle do Parlamento regional, declararam a Crimeia parte da Federação Russa e anunciaram para domingo um referendo sobre essa decisão.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, diz que seu governo está agindo para proteger os direitos dos russos étnicos, que compõem a maioria da população da Crimeia, depois que o presidente da Ucrânia, Viktor Yanukovich, foi deposto no mês passado - ação que a Rússia define como um golpe de Estado.

Reportagem de Richard Balmforth, Timothy Heritage, Ron Popeski, Alastair Macdonald e Aleksandar Vasovic em Kiev e Alexei Anishchuk em Sochi

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below