March 12, 2014 / 1:22 PM / 4 years ago

EXCLUSIVO-UE aprova termos para sanções à Rússia

Por Martin Santa e Luke Baker

O presidente russo Vladimir Putin durante sua visita a um centro de monitoramento de crimes financeiros em Moscou. Os Estados membros da União Europeia chegaram a um acordo sobre os termos a serem usados nas sanções à Rússia, as quais incluem restrições a viagens e congelamentos de bens dos responsáveis por violarem a soberania da Ucrânia, segundo um documento preliminar de sete páginas visto pela Reuters. 04/03/2014 REUTERS/Alexei Druzhinin/RIA Novosti/Kremlin

BRUXELAS, 12 Mar (Reuters) - Os Estados membros da União Europeia chegaram a um acordo sobre os termos a serem usados nas sanções à Rússia, as quais incluem restrições a viagens e congelamentos de bens dos responsáveis por violarem a soberania da Ucrânia, segundo um documento preliminar de sete páginas visto pela Reuters.

O texto descreve em detalhes as medidas punitivas a serem adotadas contra Moscou caso a Rússia não recolha suas forças na Crimeia e não inicie um diálogo com mediadores internacionais para tentar resolver a crise na Ucrânia.

Se aprovadas por ministros de Relações Exteriores da UE numa reunião na segunda-feira, essas serão as primeiras sanções impostas pelo bloco europeu contra a Rússia desde o final da Guerra Fria, marcando uma forte deterioração nas relações entre Moscou e o Ocidente.

“Os Estados membros devem tomar todas as medidas necessárias para impedir a entrada ou o trânsito em seus territórios de pessoas físicas responsáveis por ações que abalem ou ameacem a integridade territorial, a soberania e a independência da Ucrânia”, diz o artigo 1º do documento.

O artigo 2º determina que “todos os fundos e recursos econômicos pertencentes, mantidos ou controlados” pelos responsáveis por ações contrárias à integridade ucraniana “devem ser congelados” se estiverem dentro da UE.

O documento foi aprovado em votação simbólica, já que ninguém apresentou objeções até as 11h de quarta-feira (horário de Bruxelas), segundo autoridades. As medidas devem ser formalmente adotadas na segunda-feira pelos ministros, salvo em caso de uma guinada na posição russa, o que parece improvável.

No domingo, a população da Crimeia participa de um referendo que pode levar essa península do sul da Ucrânia a se unir à Rússia.

Embora a UE já tenha definido os termos das sanções, os nomes dos afetados ainda estão por serem definidos.

Discussões sobre isso aconteceram na terça-feira numa reunião entre autoridades da Grã-Bretanha, EUA, Itália, França, Alemanha, Suíça, Japão e outros países.

“Meu entendimento é que haverá uma discussão detalhada de nomes na reunião”, disse um funcionário da UE. “Nenhuma lista definitiva foi redigida, mas estará pronta até segunda-feira.”

Funcionários europeus sugerem que o presidente russo, Vladimir Putin, e seu ministro de Relações Exteriores, Serguei Lavrov, não estarão na lista, para que os canais de comunicação sejam mantidos abertos e para que possa haver um endurecimento posterior.

Mas a lista —um anexo ao documento obtido pela Reuters— deve ter como alvo pessoas próximas a Putin nos serviços de segurança e na cúpula militar, além de parlamentares russos.

“O anexo deve também conter, quando disponível, informações necessárias para identificar as pessoas físicas e jurídicas, entidades e órgãos envolvidos”, diz o texto.

Os EUA e a UE estão coordenando a imposição de restrições e encorajaram outros países, incluindo Canadá, Japão, Turquia e Suíça, a também adotarem sanções.

Reportagem adicional de Justyna Pawlak e Adrian Croft, em Bruxelas, e Guy Faulconbridge, em Londres

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below