March 17, 2014 / 5:48 PM / in 4 years

Astrônomos descobrem ecos de expansão após Big Bang

Por Irene Klotz

NOVA YORK, 17 Mar (Reuters) - Astrônomos anunciaram nesta segunda-feira terem descoberto o que muitos consideram o Santo Graal do setor: ondulações no tecido do espaço-tempo que são ecos da imensa expansão do universo que aconteceu pouco depois do Big Bang.

Prevista por Albert Einstein quase um século atrás, a descoberta das ondas gravitacionais seria a peça final de uma das maiores realizações do intelecto humano, ajudando os cientistas a entender como o universo começou e se tornou a miríade de galáxias e estrelas, nebulosas e vastas extensões de espaço vazio que constituem o universo conhecido.

“Detectar este sinal é um dos objetivos mais importantes da cosmologia hoje”, disse John Kovac, do Centro de Astrofísica Harvard-Smithsonian e que liderou a pesquisa, em um comunicado.

As ondas gravitacionais são ondulações minúsculas e primordiais que se propagam pelo cosmo. Os astrônomos as buscam há décadas, porque são a prova que falta para duas teorias, uma das quais inaugurou a era atual de pesquisa sobre as origens e a evolução do cosmo —a Teoria Geral da Relatividade de Einstein, publicada em 1916— e outra que deu os retoques finais nela, chamada inflação cósmica, desenvolvida nos anos 1980.

Uma fração de segundo após o Big Bang, a explosão do espaço-tempo que iniciou o universo 13,8 bilhões de anos atrás, o cosmo recém-nascido inflou muitas vezes seu tamanho inicial em menos de um quadrilionésimo de segundo (um ponto decimal seguido de 33 zeros e um 1).

As ondas gravitacionais foram detectadas por um telescópio no Pólo Sul chamado Bicep (Imagem de Fundo de Polarização Cósmica Extragalática, na sigla em inglês). O instrumento, que escaneia o céu a partir do Pólo Sul, examina o que se chama de microonda cósmica de fundo, uma radiação extremamente fraca presente em todo o universo. Sua descoberta em 1964 pelos astrônomos dos laboratórios Bell, em Nova Jersey, foi saudada como a melhor prova até hoje de que o universo começou em uma explosão imensamente quente.

A micro-onda cósmica de fundo, que passou a banhar o universo 380 mil anos após o Big Bang, está meros três graus acima do zero absoluto, tendo esfriado até a quase não existência desde o plasma imensuravelmente quente que era o universo nas primeira frações de segundo de sua existência.

A radiação de fundo não é exatamente uniforme. Como a luz, essa relíquia é polarizada, como resultado da interação com elétrons e átomos no espaço.

Modelos de computador previram um padrão espiral particular na radiação de fundo que combinaria com o que seria esperado com a inflação do universo após o Big Bang.

A equipe não só encontrou o padrão, mas descobriu ser consideravelmente mais forte do que o esperado.

“Foi como procurar uma agulha no palheiro, e ao invés disso achar um pé de cabra”, disse o co-líder do estudo Clem Pryke, da Universidade de Minnesota, em um comunicado.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below