28 de Março de 2014 / às 21:30 / em 4 anos

Biden pretende se reunir com Dilma em momento de reaproximação Brasil-EUA

Por Brian Winter

SÃO PAULO, 28 Mar (Reuters) - O vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, planeja se reunir com a presidente Dilma Rousseff quando vier ao país para a Copa do Mundo, em junho, disse à Reuters um alto funcionário com conhecimento da visita, um sinal de que as relações entre os dois países estão num momento de degelo após a tensão sobre a espionagem da Agência de Segurança Nacional (NSA) no ano passado.

A reunião com Dilma está prevista para ocorrer em Brasília, provavelmente depois de Biden assistir a um jogo de futebol do torneio mundial, ainda indeterminado, disse o funcionário sob condição de anonimato. Uma autoridade na Casa Branca não quis comentar, e um porta-voz de Dilma não respondeu a um pedido para falar sobre o assunto.

Esse seria o encontro oficial de mais alto nível entre os dois governos desde que Dilma cancelou uma visita oficial à Casa Branca prevista para outubro do ano passado, irritada com as revelações de que a NSA havia espionado ela e outros brasileiros. Depois disso, as relações vêm se mantendo tensas, com consequências econômicas negativas para ambos os países.

Em dezembro, Dilma escolheu a sueca Saab, em vez da norte-americana Boeing, para um contrato multibilionário de compra de jatos para a Força Aérea Brasileira, uma decisão que, segundo assessores, foi uma esnobação direta a Washington pela espionagem.

Enquanto isso, negociações sobre o comércio bilateral e acordos de investimento permanecem na maior parte congeladas desde o impasse da espionagem, privando o Brasil de um potencial impulso para sua cambaleante economia.

Dilma e seus assessores continuam exigindo um pedido formal de desculpas dos EUA pela espionagem contra a presidente como condição para normalizar o relacionamento. Washington até agora se recusou a fazer isso.

A visita de Biden, que cultivou uma relação particularmente calorosa durante as reuniões anteriores com a presidente, não vai curar a fenda por si só. Dilma continua profundamente irritada com a polêmica, disseram autoridades brasileiras à Reuters.

Mas diplomatas de ambos os lados foram surpreendidos pelo tom cordial quando os dois líderes conversaram à margem da posse da presidente chilena, Michelle Bachelet, no início do mês.

Dilma pediu a Biden ajuda para desarmar uma crise política na Venezuela, disseram à Reuters dois funcionários a par da conversa. Biden, em seguida, afirmou que esperava se reunir formalmente com Dilma quando vier ao Brasil para a Copa do Mundo, ao que ela respondeu favoravelmente, afirmaram os funcionários.

Outros sinais construtivos recentes incluíram o convite do novo ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Mauro Borges, a autoridades dos EUA para uma reunião em Brasília, no qual expressou entusiasmo para reiniciar as negociações comerciais, de acordo com um funcionário presente.

A cooperação rotineira entre as Forças Armadas dos dois países, que havia sido congelada por um tempo após a polêmica da NSA, também foi retomada.

Com o tempo, fortes laços diplomáticos e comerciais poderão render grandes dividendos para as empresas norte-americanas, já que a economia brasileira, de 2,3 trilhões de dólares, é hoje uma das mais fechadas ao comércio nas Américas. Antes das revelações da NSA, as autoridades brasileiras e norte-americanas disseram que o relacionamento estava no ponto mais alto em uma década.

Reportagem adicional de Roberta Rampton, em Washington

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below