April 6, 2014 / 2:58 PM / 4 years ago

Acabar com a corrupção na Ucrânia é vital, diz candidato à Presidência

Por Paul Ingrassia e Richard Balmforth

KIEV, 6 Abr (Reuters) - Acabar com a corrupção é vital para qualquer nova liderança, disse o candidato à presidência da Ucrânia Petro Poroshenko, alertando que o fracasso nesse sentido vai irritar uma população “renovada” e com grandes expectativas de uma mudança real, após meses de turbulência.

Poroshenko, um bilionário do ramo de confeitaria, é um dos dois principais candidatos à eleição de 25 de maio. Para ele, os ucranianos conquistaram o direito de um caminho para a adesão à União Europeia, depois da revolta que derrubou o presidente Viktor Yanukovich.

Mas, em entrevista à Reuters, ele também disse que não vai tentar uma união com a OTAN -Organização do Tratado do Atlântico Norte-, um movimento que, segundo Poroshenko, poderia dividir o país enquanto as tropas russas estão reunidas na sua fronteira.

Depois da saída de Yanukovich, da morte de mais de 100 manifestantes e do tomada da Crimeia pela Rússia, o povo vai exigir dos futuros líderes uma mudança radical, afastando-se da corrupção e negligência do passado, disse Poroshenko, de 48 anos.

“Um novo país e um novo povo nasceram”, disse à Reuters de forma enfática, dando um soco na mesa.

“Se o presidente, o governo e o Parlamento não demonstrarem um estilo diferente, e mostrarem que vivemos em condições diferentes, o povo depois de seis ou nove meses vai dizer ‘OK’ e retirar o seu apoio”, disse.

“Eles (os futuros líderes) precisam saber por que 104 pessoas deram suas vidas.”

A eleição de 25 de maio será o primeiro passo da liderança provisória para colocar a Ucrânia de pé novamente, após quatro meses de turbulência e confronto com a Rússia que traumatizaram o país e destacaram antigas divisões entre o leste e o oeste.

Poroshenko, conhecido como o “Rei do Chocolate” devido à rede de confeitarias com a qual ele fez fortuna, é um político experiente, que ocupou uma variedade de cargos, incluindo posto mais alto do Ministério da Economia e do Ministério das Relações Exteriores, tanto sob administrações pró-Ocidente quanto nas apoiadas pela Rússia.

Ele vai enfrentar a extravagante ex-primeira-ministra Yulia Tymoshenko, que tem um núcleo forte de seguidores, mas pode ser prejudicada se seus muitos inimigos se unirem a Poroshenko.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below