May 12, 2014 / 10:40 AM / 4 years ago

Rebeldes declaram vitória em eleição separatista na Ucrânia

Por Matt Robinson e Alessandra Prentice

DONETSK/SLAVIANSK, Ucrânia, 12 Mai (Reuters) - O líder ucraniano Oleksander Turchinov acusou nesta segunda-feira a Rússia de trabalhar para derrubar o poder legítimo do Estado na Ucrânia, após rebeldes pró-Rússia terem declarado vitória em um referendo de independência em regiões do leste do país.

A Rússia disse respeitar o resultado do referendo, no qual separatistas da região industrial de Donetsk reivindicaram um apoio de 90 por cento, e acrescentou que os resultados deveriam ser implementados pacificamente.

Horas após a votação, considerada ilegal por Kiev e governos ocidentais, os planos dos líderes rebeldes permanecem incertos. Alguns publicamente apoiaram a ideia de anexação à Rússia, a qual absorveu a Crimeia após votação similar em março.

“Esta terra nunca foi da Ucrânia… nós falamos russo”, disse Vyacheslav Ponomaryov, líder rebelde do bastião separatista de Slaviansk, ameaçando expulsar o exército ucraniano.

Questionado sobre a possibilidade de realizar um segundo referendo, sobre a união com a Rússia, ele disse: “Não houve decisão, mas este referendo mostrou que estamos preparados… nós podemos convocar uma eleição ou referendo em cima da hora”.

Um outro líder da rebelião separatista no leste, Roman Lyagin, dirigente da comissão eleitoral separatista, disse em entrevista à imprensa que a união com a Federação Russa seria provavelmente a medida mais apropriada após o resultado do referendo do fim de semana.

O ministro do Interior, Arsen Avakov, disse que forças rebeldes fizeram uma nova tentativa de tomar uma torre de televisão nos arredores de Slaviansk, coração de uma rebelião que tem ampliado o maior impasse entre Rússia e o Ocidente desde a Guerra Fria.

“A informação de que eles estavam investindo contra nós em Donbass (leste) é mais perigosa do que uma bala. Devemos responder”, escreveu em sua página no Facebook.

Na cidade portuária de Mariupol, cena de um intenso combate entre forças ucranianas e rebeldes na semana passada, houve indícios de mobilização para a retomada da ordem.

Turchinov disse que a polícia local começou a fazer patrulhas com milicianos voluntários reunidos por uma companhia, a Metinvest, cujo sócio principal é o empresário mais rico da Ucrania, Rinat Akhmetov. Suas palavras implicitamente endossaram esse arranjo.

Turchinov também classificou como farsa as eleições separatistas.

“Esses processos são inspirados por liderança da Federação Russa e são nocivos para as economias das regiões de Donetsk e Luhansk, ameaçam as vidas e o bem estar dos cidadãos e buscam desestabilizar a situação na Ucrânia, prejudicar as eleições presidenciais (de 25 de maio) e derrubar as autoridades ucranianas”, afirmou Turchinov em comunicado. (Reportagem adicional de Pavel Polityuk em Kiev, e Adrian Croft e Justyna Pawlak em Bruxelas)

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below