28 de Julho de 2017 / às 13:06 / em 5 meses

Israel proíbe homens com menos de 50 anos em mesquita de Al-Aqsa em Jerusalém

JERUSALÉM (Reuters) - Israel enviou mais policiais a Jerusalém nesta sexta-feira e proibiu a entrada de homens com menos de 50 anos na mesquita de Al-Aqsa da Cidade Velha por um dia, em antecipação a grandes protestos, mas as orações no local foram concluídas sem maiores problemas.

Palestino faz orações dentro da Mesquita de al-Aqsa, no complexo do Monte do Templo, em Jerusalém 10/5/2017 REUTERS/Ammar Awad

As tensões aumentaram no complexo nas duas últimas semanas, muitas vezes resultando em choques, depois que dois policiais israelenses foram mortos no local, levando Israel a instalar detectores de metal nas entradas e a um subsequente boicote dos muçulmanos.

Sob imensa pressão diplomática, Israel retirou os detectores de metal na quinta-feira, uma decisão que agradou o mundo árabe, mas a violência voltou rapidamente quando milhares de religiosos muçulmanos chegaram à mesquita.

Antes de Israel remover o novo aparelho de segurança, as facções palestinas pediam um “dia de fúria” nesta sexta-feira. No entanto, a principal sessão de orações do dia terminou de forma mais calma do que o esperado.

Mulheres de todas as idades e homens acima de 50 anos foram permitidos no local, chamado pelos judeus de Monte do Templo e pelos muçulmanos de Nobre Santuário.

Israel anexou Jerusalém Oriental, incluindo a Cidade Velha e o local sagrado, na guerra de 1967 no Oriente Médio. A anexação da área nunca foi reconhecida internacionalmente.

A mesquita de Al-Aqsa, o terceiro santuário mais sagrado do Islã, fica em um platô de mármore arborizado no coração da Cidade Velha. É também o lugar mais sagrado do judaísmo - a região de dois templos antigos, o último destruído pelos romanos. Os judeus rezam sob uma forte segurança no muro ocidental ao pé da praça elevada.

A disputa, como muitas na Terra Santa, vai além de dispositivos de segurança, envolve questões de soberania, liberdade religiosa, ocupação e o nacionalismo palestino. 

Reportagem de Ari Rabinovitch

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below