10 de Outubro de 2017 / às 15:55 / em 2 meses

Servidores públicos franceses entram em greve contra reforma trabalhista de Macron

PARIS (Reuters) - Servidores públicos franceses entraram em greve nesta terça-feira em protesto contra os planos do presidente da França, Emmanuel Macron, de reduzir o funcionalismo público e endurecer as condições salariais, obrigando empresas aéreas a cancelar centenas de voos e interrompendo atividades nas escolas.

Visão geral de manifestação de funcionários públicos franceses, que participam de greve nacional contra reformas do governo, em Paris 10/10/2017 REUTERS/Pascal Rossignol

Funcionários civis, professores e enfermeiras marcharam em várias cidades do país, de Toulouse, no sul, a Estrasburgo, no leste, antes do principal protesto do dia, em Paris.

    Foi a primeira vez em uma década que todas as centrais sindicais, que representam mais de 5 milhões de servidores públicos, se uniram a uma mesma convocação de protesto.

    Mas a quantidade de manifestantes pareceu pequena à medida que a manifestação de Paris transcorria.

    O comparecimento será um indicador importante do apetite público para protestos contra as reformas sociais e econômicas de Macron, que o ex-banqueiro de investimento diz serem necessárias para destravar o crescimento econômico e colocar as finanças públicas em uma situação mais sustentável.

    As manifestações do mês passado contra a reforma da lei trabalhista que foram lideradas por sindicatos do setor privado não conseguiram persuadir Macron a mudar o rumo de suas políticas, mas o movimento trabalhista francês tem se mostrado historicamente mais vigoroso no setor público.

    “Queremos que nossas vozes sejam ouvidas depois de meses e meses de ataques contra o setor público e seus funcionários”, disse Mylene Jacquot, chefe da federação de servidores civis da moderada CFDT, a maior central sindical da França.

    “Em particular, queremos forçar o governo a cumprir sua promessa relativa ao nosso poder de compra”.

    Avisos de greve foram fixados em escolas, hospitais, aeroportos e ministérios do governo em reação aos planos de cortar 120 mil empregos, congelar salários e reduzir a indenização por licença de saúde.

    A autoridade da aviação civil disse que 30 por cento dos voos em aeroportos de todo o país foram cancelados, mas não houve interrupções na rede ferroviária. O Ministério da Educação disse que menos de um em cada cinco professores aderiu à greve.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below