April 23, 2018 / 11:55 PM / 5 months ago

Venezuela abre campanha eleitoral com distribuição de presentes e promessas de mudança

Por Andreina Aponte e Deisy Buitrago

Maduro em campanha em Puerto Ordaz 23/4/2018 Divulgação

CARACAS (Reuters) - O presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, iniciou sua campanha presidencial distribuindo caminhões de lixo e tratores enquanto seu rival Henri Falcon apresentou planos para despolitizar a petroleira estatal PDVSA (PDVSA.UL) e dolarizar a combalida economia do país.

O comparecimento às urnas nas eleições marcadas para dia 20 de maio deve ser baixo dado desânimo dos venezuelanos diante de um colapso econômico sem precedentes e de um boicote por parte dos principais opositores, que enxergam o processo eleitoral como uma farsa para legitimizar a autocracia. 

Embora algumas pesquisas o coloquem empatado ou à frente de Maduro, as abstenções teriam um efeito mais grave no ex-militar e governador de 56 anos Falcon do que no socialista. 

Mais de 80 executivos da PDVSA e seus fornecedores foram presos nos últimos meses por acusações de corrupção. 

As tensões entre a PDVSA, que detêm cerca de 95 por cento das receitas de exportação da Venezuela, e empresas estrangeiras de petróleo têm crescido conforme oficiais militares que tem pouca ou nenhuma experiência na área recebem papéis de direção. 

Falcon e o peso-pesado de Wall Street Francisco Rodriguez, seu principal consultor econômico, apresentaram planos para reformar a PDVSA que consistiriam em separá-la do Ministério do Petróleo, pedir que a Organização dos Países Produtores de Petróleo (Opep) aumente as participações do país e fortalecer o papel de parceiros estrangeiros.

Ilustrando a dificuldade da tarefa de Falcon, outros ativistas de oposição organizaram protestos para esta semana para promover a abstenção nas eleições do mês que vem.

Diferentemente de outras campanhas no passado, os atos públicos de ambos os lados até agora não contaram com a adesão significativa do público.

“Há muitas dificuldades, sim, mas quem irá superá-las? A oligarquia, Donald Trump, ou nós?”, disse Maduro, de 55 anos, em discurso no estado de Bolívar, no sul do país, onde o mandatário distribuía veículos a autoridades oficiais. 

Maduro, sucessor de Hugo Chavez, tem o apoio de cerca de 20 por cento do eleitorado. Sua vitória é esperada dado o formidável aparato eleitoral do Estado, a cassação dos direitos políticos de dois importantes líderes de oposição, um conselho eleitoral favorável, e a dependência da população mais pobre nos programas de bem estar social do governo, incluindo distribuição de alimentos. 

Milhões de venezuelanos ganham cerca de 2 dólares por mês, sofrem com escassez de alimentos e remédios básicos, e enfrentam ainda inflação que chega a milhares por cento ao ano.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below