June 12, 2018 / 2:49 PM / 3 months ago

Reunião entre Trump e Kim agrada China, mas Japão desconfia

PEQUIM/TÓQUIO (Reuters) - Com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, estabelecendo o terreno para a normalização das relações diplomáticas com a Coreia do Norte, inclusive dizendo que os exercícios militares com a Coreia do Sul irão acabar, a China apareceu como uma vencedora da cúpula de terça-feira, enquanto o Japão observa o resultado de cara fechada. 

Presidente dos EUA, Donald Trump, e líder da Coreia do Norte, Kim Jong Un, deixam local onde assinaram documentos 12/06/2018 REUTERS/Jonathan Ernst

Trump e o líder norte-coreano, Kim Jong Un, prometeram nesta terça-feira trabalhar para a completa desnuclearização da península coreana, e assinaram um documento “abrangente” no histórico encontro em Cingapura. 

Em troca, Washington se comprometeu a disponibilizar garantias de segurança para a Coreia do Norte, embora o comunicado conjunto não fosse muito específico. 

Em uma entrevista coletiva após a cúpula, Trump disse que Washington terminaria com os exercícios militares caros e “altamente provocativos” com a Coreia do Sul, medida que preocupa Seul e Tóquio, que dependem das forças militares norte-americanas para sua segurança. 

A China, mais importante aliada econômica e diplomática da Coreia do Norte apesar de seu descontentamento com os testes nucleares e de mísseis de Pyongyang, gastou pouco tempo com um lembrete de que as sanções da ONU poderiam ser ajustadas se a Coreia do Norte se comportasse bem. 

“As resoluções do Conselho de Segurança da ONU que foram aprovadas dizem que se a Coreia do Norte respeitar e agir de acordo com elas, então as sanções podem ser ajustadas, incluindo pausas ou remoção de sanções relevantes”, disse um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Geng Shuang, em um briefing à imprensa. 

O Global Times, um influente jornal estatal chinês, disse em um editorial que era hora de considerar uma “redução apropriada das sanções”. 

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, ressaltou um aspecto positivo da reunião, elogiando o fato de que Trump disse em uma coletiva de imprensa que havia levantado a questão dos cidadãos japoneses capturados pela Coreia do Norte, embora não houvesse menção a isso no documento assinado por Kim e Trump. 

Yoji Koda, um almirante aposentado que comandou a frota naval japonesa, e é pesquisador no Fairbank Center para estudos Chineses na Universidade Harvard, disse que o comunicado não continha nada de novo ou de concreto. 

“Um dos pontos chaves que Trump e seus conselheiros fizeram foi que os EUA não irão repetir erros de acordos anteriores”, disse. “Ao ler este documento, eu não acredito que os EUA serão bem-sucedidos.” 

O gabinete da Presidência da Coreia do Sul disse que é preciso buscar transparência nas intenções de Trump depois que ele disse que irá interromper os exercícios militares conjuntos. 

O presidente sul-coreano, Moon Jae-in, que tem sido importante nos esforços de negociação com o Norte e com Kim, prometeu cooperação total. 

“O meu governo não poupará esforços para cooperar com os Estados Unidos, com a Coreia do Norte, e com a comunidade internacional para garantir que o acordo possa ser implementado inteiramente”, disse Moon em nota.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below