June 24, 2018 / 4:40 PM / 6 months ago

Alguns homens sauditas ainda se irritam com mulheres dirigindo

JEDDAH, Arábia Saudita (Reuters) - Em meio ao fim festivo da proibição na Arábia Saudita de que mulheres possam dirigir, neste domingo, alguns homens expressaram silenciosa desaprovação de uma mudança que temem minar a identidade muçulmana profundamente conservadora do reino.

“No Islã, não temos isso. Durante o tempo de nossos pais e avós, não havia nenhuma dessas mulheres dirigindo”, disse Wadih al-Marzouki, um funcionário público aposentado na cidade portuária de Jeddah, no Mar Vermelho.

Ele disse que aconselhou seus três genros a não deixarem suas esposas dirigirem. “Vai ser muito, muito difícil. Deus nos ajude no primeiro mês.”

A última proibição do mundo foi justificada por vários motivos religiosos e culturais, como a proposição de que as mulheres que dirigem promovem a promiscuidade e o pecado.

Um clérigo alegou que as mulheres não eram espertas o suficiente para dirigir, enquanto outro alertou que as pessoas que dirigem correm o risco de danificar seus ovários e levar as crianças com problemas clínicos.

Apenas nove meses depois que o rei Salman anunciou a reversão da política como parte de amplas reformas para reformar a economia e abrir a sociedade, essas ideias não se evaporaram simplesmente.

Quase um quarto dos sauditas entrevistados em uma pesquisa recente se opôs ao fim da proibição. Desses, um terço disseram temer que isso ameaçasse tradições culturais.

No entanto, as críticas ainda são raras, especialmente depois de uma repressão às divergências, incluindo a prisão de cerca de 30 clérigos, intelectuais e ativistas em setembro passado e mais de uma dúzia de ativistas dos direitos das mulheres no último mês.

Alguns críticos sobre as mulheres dirigirem parecem estar aceitando a nova realidade. Os primos Qais e Abdelaziz al-Qahtan contestam a decisão em um nível pessoal, mas não ousam se opor a um decreto real nesta monarquia absoluta.

“Eu apoio porque algumas famílias realmente precisam ter uma mulher dirigindo”, disse Abdelaziz, 26 anos. “Mas eu não acho que uma mulher deva dirigir se ela não precisar.”

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below