June 24, 2018 / 6:30 PM / 3 months ago

Mulheres sauditas dão volta da vitória com fim da proibição para dirigir

RIAD (Reuters) - As mulheres da Arábia Saudita foram às ruas dirigir neste domingo, após o fim da última proibição do mundo a motoristas do sexo feminino, há muito vista como um emblema da repressão das mulheres no reino muçulmano profundamente conservador.

“É um dia lindo”, disse a empresária Samah al-Qusaibi, enquanto percorria a cidade de Khobar no leste do país, pouco depois da meia-noite, com a polícia observando. “Hoje estamos aqui”, disse ela do banco do motorista. “Ontem ficamos sentados lá”, acrescentou, apontando para as costas.

O fim da proibição, ordenada em setembro passado pelo rei Salman, é parte de amplas reformas promovidas por seu poderoso filho, o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman, em uma tentativa de transformar a economia do maior exportador de petróleo do mundo e abrir sua sociedade.

“É nosso direito e finalmente o aceitamos. É apenas uma questão de tempo para a sociedade aceitar isso, em geral”, disse Samira al-Ghamdi, uma psicóloga de 47 anos de Jeddah, enquanto dirigia para o trabalho.

O fim da proibição, que durante anos provocou condenação internacional e comparações com o Taleban no Afeganistão, foi bem recebido pelos aliados ocidentais como prova de uma nova tendência progressista na Arábia Saudita.

Mas tem sido acompanhado por uma repressão às divergências, inclusive contra alguns dos próprios ativistas que anteriormente fizeram campanha contra a proibição. Eles agora estão sentados na cadeia, enquanto seus pares tomam a estrada legalmente pela primeira vez.

O número de novos motoristas continua baixo, já que as mulheres com permissões estrangeiras só conseguiram convertê-las a partir deste mês.

Um porta-voz do Ministério do Interior se recusou a especificar quantas licenças foram emitidas, mas disse que 120 mil mulheres se inscreveram, de um total de 9 milhões.

A maioria terá que treinar em novas escolas estatais, com a expectativa de 3 milhões de mulheres nas estradas até 2020.

Algumas ainda enfrentam resistência de parentes conservadores, e muitas acostumados a motoristas privados dizem que estão relutantes em enfrentar as movimentadas estradas do país.

“Eu definitivamente não gostaria de dirigir”, disse Fayza al-Shammary, uma vendedora de 22 anos. “Eu gosto de ser uma princesa com alguém abrindo a porta do carro para mim e me dirigindo para qualquer lugar.”

Reportagem adicional de Marwa Rashad e Reuters TV

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below