June 28, 2018 / 12:17 PM / in 5 months

Espiões britânicos realizaram ações "indesculpáveis" após o 11 de Setembro, diz relatório

LONDRES (Reuters) - Espiões britânicos sabiam dos maus tratos cometidos por agentes dos Estados Unidos contra centenas de supostos militantes, e se envolveram na captura de pessoas que foram transferidas sem o devido processo legal a terceiros países, de acordo com um relatório do Parlamento.

Helicóptero militar britânico em Cabul, no Afeganistão 26/11/2016 REUTERS/Mohammad Ismail

O relatório analisou as ações das agências de segurança e inteligência do Reino Unido em relação ao tratamento e à transferência de detidos no exterior no período que se seguiu aos ataques de 11 de setembro de 2001 nos EUA.

O documento divulgado nesta quinta-feira é o mais recente desdobramento de uma crise prolongada causada por alegações de tortura, maus tratos e transferências ilegais que prejudicaram a posição internacional do Reino Unido e desencadearam um debate global sobre os métodos e a responsabilização dos serviços de inteligência.

“Em nossa opinião o Reino Unido tolerou ações, e realizou outras, que vemos como indesculpáveis”, disse o Comitê de Segurança e Inteligência do Parlamento britânico.

“Dito isso, não encontramos provas concretas que indiquem que as agências negligenciaram deliberadamente relatórios sobre maus tratos e transferências dos EUA como uma questão de política institucional”.

O relatório foi divulgado após um inquérito de 2013 que revelou que espiões britânicos se envolveram na prática norte-americana de “cessão”, por meio da qual militantes capturados eram transferidos sem o devido processo legal a terceiros países.

A investigação anterior afirmou que Londres sabia dos maus tratos de supostos militantes, mas não interveio por medo de seus aliados norte-americanos.

Nesta quinta-feira o comitê parlamentar britânico disse ter descoberto 232 casos em que funcionários britânicos continuaram a oferecer perguntas ou coletar informações de inteligência depois de tomarem conhecimento de possíveis maus tratos.

O relatório também descobriu 28 casos em que agências de inteligência sugeriram, planejaram ou concordaram com operações de cessão e três casos em que ofereceram fazer uma contribuição financeira para realizar uma operação de cessão.

Em resposta ao relatório, uma autoridade de segurança do Reino Unido disse à Reuters que as agências de inteligência britânicas aprenderam lições duras desde os ataques do dia 11 de Setembro, e afirmou que hoje trabalham de maneira diferente.

“Hoje nós fazemos as coisas de maneira diferente”, disse a autoridade, que falou sob condição de anonimato. “Nós aprendemos as lições daqueles difíceis anos após o 11/09 e as estruturas amadureceram, tanto no Serviço Secreto de Inteligência como por todo o governo”.

Mas a autoridade também admitiu que espiões estavam sobre intensa pressão de seus comandantes políticos na época.

“Nossa equipe estava sob pressão para entregar dados de inteligência sobre a ameaça”, disse a autoridade. “A demanda imediata, de entregar inteligência para nos defender contra a ameaça terrorista, se tornou a prioridade dominante”.

Reportagem de Andrew MacAskill e Guy Faulconbridge

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below