July 20, 2018 / 10:11 AM / 2 months ago

Vice-premiê italiano nega ter exigido renúncia de ministro da Economia

ROMA (Reuters) - O vice-primeiro-ministro da Itália Luigi Di Maio negou nesta sexta-feira relatos de que teria exigido a renúncia do ministro da Economia, Giovanni Tria, caso ele não apoiasse indicações do governo para chefiar empresas importantes.

Vice-primeiro-ministro italiano Luigi Di Maio chega para cerimônia no Vaticano 28/06/2018 REUTERS/Tony Gentile

O rendimento dos bônus italianos subiram e as ações do país caíram após relatos de tensões dentro da coalizão de governo.

Vários jornais relataram que Di Maio e o outro vice-premiê do país, Matteo Salvini, deram um ultimato a Tria para que ele apoiasse as indicações para postos-chaves nas empresas ou renunciasse.

“Eu absolutamente jamais pedi a renúncia de Tria”, disse Di Maio a jornalistas.

Tria prefere Dario Scannapieco, vice-presidente do Banco Europeu de Investimento e ex-autoridade do Tesouro italiano, para se tornar novo presidente-executivo da estatal CDP, disseram fontes.

O Movimento 5 Estrelas, de Di Maio, apoia Fabrizio Palermo, atual diretor financeiro da CDP, e Salvini apoia Di Maio, afirmam os relatos, que dão conta ainda que o primeiro-ministro Giuseppe Conte tenta mediar a disputa.

Reportagem de Giuseppe Fonte

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below