August 6, 2018 / 11:25 PM / 2 months ago

Maduro não aparece em manifestação de apoio a ele após ataques de drones

Por Andreina Aponte e Shaylim Castro

Manifestação de apoio a Maduro em Caracas 6/8/2018 REUTERS/Marco Bello

CARACAS (Reuters) - Apoiadores do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, se reuniram no centro de Caracas nesta segunda-feira para defendê-lo depois de ataques de drones que o governo classificou como uma tentativa de assassinato, mas o líder socialista surpreendeu a multidão ao não comparecer ao evento.

Maduro, cujo índice de aprovação paira em torno de 25 por cento e cujos opositores culpam suas políticas pelo agravamento de um colapso econômico, conclamou os apoiadores do governo a se unirem diante do que descreveu como complôs da direita liderados pelo governo colombiano e por exilados nos Estados Unidos.

O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, zombou das acusações, dizendo que estava totalmente concentrado no batismo de sua neta no sábado, e o conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, disse que Washington não se envolveu com as explosões.

Apoiadores vestindo camisas estampadas com o rosto de Maduro foram a Caracas nesta segunda-feira, e o presidente deve discursar à multidão no palácio de Miraflores de tarde.

“Nós, trabalhadores, estamos aqui para apoiar o presidente. Nada assim jamais aconteceu ao vivo na televisão, não existe justificativa para este ataque contra o presidente”, disse Melanie Diaz, de 40 anos, que trabalha no Ministério da Alimentação.

Mas o comparecimento foi baixo comparado ao de manifestações anteriores, que tomavam grandes avenidas. Muitos dos presentes eram servidores públicos, alguns dizendo que foram obrigados a comparecer, segundo testemunhas da Reuters. Muitos venezuelanos que adoravam o falecido líder Hugo Chávez deram as costas a Maduro, seu sucessor muito menos carismático.

Maduro, que fez um discurso televisionado logo após o incidente, deveria falar do palácio de Miraflores nesta segunda-feira à tarde.

Não ficou imediatamente claro por que ele desistiu. O Ministério da Informação não respondeu a um pedido de comentário.

“Onde está o nosso comandante?”, perguntavam os simpatizantes.

O governo da Venezuela disse que suspeitos lançaram duas aeronaves de controle remoto DJI M600 repletas de explosivos C4 sobre um evento a céu aberto que Maduro realizava no centro de Caracas para comemorar a criação da Guarda Nacional no sábado.

Um deles foi “desviado” pelas forças de segurança, e o segundo caiu sozinho e atingiu um edifício de apartamentos, disseram autoridades.

Os ataques ressaltam os desafios de Maduro para manter o controle sobre o país-membro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), onde a escassez generalizada de alimentos e remédios vem provocando revolta e desespero das favelas aos quartéis.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below