December 3, 2018 / 11:19 AM / 7 days ago

Macron busca solução para crise dos "coletes amarelos" na França

Manifestantes com coletes amarelos protestem em frente ao Arco do Triunfo, em Paris, em meio a bombas de gás lacrimogêneo 01/12/2018 REUTERS/Stephane Mahe

PARIS (Reuters) - O primeiro-ministro da França, Édouard Philippe, se reuniu com líderes de partidos de oposição nesta segunda-feira à medida que o presidente Emmanuel Macron busca um caminho para neutralizar protestos nacionais contra os altos custos de vida que levaram a atos de vandalismo em Paris durante o fim de semana.

O movimento dos “coletes amarelos” pegou Macron de surpresa quando começou no dia 17 de novembro e representa um grande desafio ao líder de 40 anos, que tenta reverter uma queda em sua popularidade provocada por reformas econômicas vistas como favoráveis aos mais ricos.

A polícia de choque foi acionada no sábado quando manifestantes causaram caos nos bairros mais chiques de Paris, colocando fogo em carros, saqueando lojas e destruindo residências e cafés de luxo, na pior onda de protestos a atingir a capital francesa desde 1968.

Nesta segunda-feira, manifestantes bloquearam o acesso a 11 depósitos da petroleira Total e 75 de seus postos de gasolina estavam sem combustível, disse um porta-voz da companhia.

O movimento dos “coletes amarelos”, cujos participantes não se limitam a qualquer idade, emprego ou região geográfica, começou online como uma manifestação improvisada contra o aumento no preço dos combustíveis, mas se transformou em um protesto mais amplo contra os altos custos de vida na França.

O movimento, cujos membros abrangem todo o espectro político e incluem alas radicais, não tem nenhuma liderança clara, tornando as negociações mais complicadas para o governo.

A principal demanda dos manifestantes é o congelamento de futuros aumentos nos impostos sobre combustíveis —com o próximo previsto para janeiro— e medidas para ajudar a aumentar o poder de compra. Mas, alguns também têm pedido a saída de Macron e outros mencionam a ideia de uma revolução.

O apoio da população aos “coletes amarelos” continua alto, com 7 em cada 10 pessoas defendendo os protestos, indicou pesquisa de opinião da Harris Interactive conduzida após os tumultos de sábado.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below