September 14, 2019 / 6:17 PM / 2 months ago

Trump fala sobre possível tratado de defesa, dias antes de eleição em Israel

WASHINGTON (Reuters) - O presidente norte-americano, Donald Trump, disse neste sábado que conversou com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, sobre um possível tratado de defesa mútua entre as duas nações, o que poderia impulsionar a campanha de reeleição de Netanyahu, dias antes dos israelenses irem às urnas.

“Tive uma conversa com o primeiro-ministro Netanyahu para discutir a possibilidade de avançarmos com um Tratado de Defesa Mútua, entre Estados Unidos e Israel, que aprofundaria a tremenda aliança entre nossos países”, escreveu Trump no Twitter.

Ele acrescentou que estava ansioso para continuar as discussões no fim deste mês, durante a sessão da assembleia-geral das Nações Unidas, em Nova York.

Netanyahu agradeceu Trump, dizendo em tuíte que Israel “nunca teve um amigo maior na Casa Branca” e acrescentando que estava ansioso pelas reuniões na ONU para “fazer avançar um histórico Tratado de Defesa entre os Estados Unidos e Israel”.

O momento em que Trump publicou esse tuíte, apenas dias antes das eleições de Israel, na terça-feira, parece buscar apoio à tentativa de Netanyahu de se manter no poder ao expressar seus laços próximos com Trump.

Pesquisas de opinião projetam um pleito acirrado, cinco meses depois de eleições inconclusivas, nas quais Netanyahu se declarou vencedor, mas não conseguiu formar uma coalizão para governar.

O partido Likud, de Netanyahu, concorre cabeça a cabeça com o centrista Partido Azul e Branco, liderado pelo ex-chefe das forças armadas Benny Gantz, que tem focado sua campanha nas acusações de corrupção contra Netanyahu.

Alguns oficiais israelenses promoveram a ideia de construir relações próximas entre Netanyahu e a administração Trump por meio de um novo tratado de defesa com os EUA, focado especialmente em garantias de auxílio em qualquer conflito com o Irã.

Trump não forneceu detalhes, mas um tratado de defesa mútua poderia obrigar os EUA a ajudar a defender Israel, se o país for atacado.

O ministro de Relações Exteriores de Israel, Israel Katz, afirmou na quinta-feira que o pacto deveria se aplicar a “questões definidas - ameaças nucleares e questões de mísseis de longa distância do Irã contra Israel”.

“Temos maneiras de atacar e defender, mas isso nos pouparia da necessidade de reservar imensos recursos de maneira permanente e em longo prazo, diante dessas ameaças”, disse Katz à emissora de televisão israelense Ynet.

Na mesma quinta-feira, o rival de Netanyahu, Gantz, criticou a ideia como um “grave erro”, argumentando que tiraria de Israel sua autonomia militar.

“Não é isso que queremos”, afirmou o candidato de centro em uma conferência em Jerusalém. “Nunca pedimos que ninguém fosse morto em nosso nome. Nunca pedimos que ninguém lutasse por nós. E nunca pedimos a permissão de ninguém para defender o Estado de Israel.”

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below