September 22, 2019 / 5:51 PM / a month ago

Parlamentar democrata diz que ligação de Trump para Ucrânia pode justificar o impeachment

Por Nandita Bose e Lawrence Hurley

Presidente da Comissão de Inteligência da Câmara dos EUA, o democrata Adam Schiff. 23/7/2019. REUTERS/Kevin Lamarque

WASHINGTON (Reuters) - Caso um inquérito revele que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, pressionou o presidente ucraniano a investigar o ex-vice-presidente Joe Biden, o impeachment seria a única opção, disse o presidente da Comissão de Inteligência da Câmara, o democrata Adam Schiff, neste domingo.

Trump e seus aliados, incluindo o secretário de Estado, Mike Pompeo, defenderam neste domingo a atitude do presidente e intensificaram os ataques a Biden.

Schiff vinha evitando falar em impeachment, mas suas declarações para o programa “Estado da União”, da CNN, indicam que sua posição mudou.

“Se o presidente está essencialmente adiando ajuda militar ao mesmo tempo em que tenta intimidar um líder internacional a cometer algum ilícito, a fornecer coisas ruins sobre seu adversário durante a campanha presidencial, então esse deve ser o único remédio para equalizar o mal que essa conduta representa”, disse Schiff.

Antes, em 25 de julho, Schiff havia dito à CNN que a única maneira de Trump deixar o cargo seria através de uma derrota eleitoral, ao mesmo tempo em que encorajou os democratas a garantirem que os eleitores compareçam às urnas em 2020.

Outros parlamentares têm pedido à liderança democrata que busque o impeachment imediatamente, mas a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, líder dos democratas na Casa, tem até o momento resistido em dar início formal ao processo.

A ligação telefônica entre Trump e o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, feita em 25 de julho, está no centro de uma disputa crescente em Washington.

Na sexta-feira, a mídia norte-americana noticiou que Trump pediu várias vezes a Zelensky que investigasse se Biden havia usado seu cargo de vice-presidente indevidamente para ameaçar a conter ajuda dos EUA, a menos que fosse demitido o procurador que investigava uma companhia de gás na qual trabalhava o filho de Biden.

Biden admitiu que queria a demissão do promotor, mas negou que seria para ajudar seu filho. O ex-vice-presidente disse que instituições mais amplas do governo dos EUA e da União Europeia, e outras instituições internacionais, também queriam a demissão do procurador devido ao fracasso no combate à corrupção.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below