October 29, 2019 / 7:22 PM / in 24 days

Assessor de Trump que ouviu telefonema com líder ucraniano depõe em inquérito de impeachment

Tenente-coronel do Exército Alexander Vindman, diretor de assuntos europeus do Conselho de Segurança Nacional, chega ao Congresso norte-americano 29/10/2019 REUTERS/Siphiwe Sibeko

WASHINGTON (Reuters) - Um dos principais assessores do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre a Ucrânia disse, nesta terça-feira, que ficou alarmado depois de ouvir o líder norte-americano pedir ao presidente ucraniano para investigar o político democrata Joe Biden, e que denunciou o caso a uma autoridade da Casa Branca por preocupações com a segurança nacional dos EUA.

O tenente-coronel do Exército Alexander Vindman, diretor de assuntos europeus do Conselho de Segurança Nacional, chegou ao Capitólio com seu uniforme militar, tornando-se a primeira autoridade da Casa Branca a testemunhar no inquérito de impeachment que tramita na Câmara dos Deputados contra Trump.

Vindman, cidadão norte-americano nascido na Ucrânia e condecorado como um veterano de guerra por seu combate na Guerra do Iraque, também foi a primeira pessoa a ter ouvido a ligação de 25 de julho a testemunhar.

Antes da sua chegada, alguns dos aliados do presidente republicano, incluindo a apresentadora da Fox News Laura Ingraham, buscaram atacar a integralidade de Vindman, questionando sua lealdade aos EUA.

Biden, um dos principais pré-candidatos pelo Partido Democrata às eleições de 2020, defendeu Vindman como um herói, chamando de “desprezíveis” os ataques ao caráter e à lealdade do oficial do Exército. “Ele é um patriota”, disse o ex-vice-presidente dos EUA à MSNBC.

Durante o contato telefônico que está centro do escândalo ucraniano, Trump solicitou ao presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, uma investigação contra Biden e seu filho Hunter Biden, que atuou no conselho da empresa de gás ucraniana Burisma. Trump também pediu a Zelenskiy que investigasse uma teoria de conspiração, já descartada oficialmente, de que a Ucrânia, não a Rússia, interferiu nas eleições de 2016 nos EUA.

“Fiquei preocupado com a ligação”, disse Vindman em sua declaração inicial aos três comitês da Câmara que conduzem o inquérito de impeachment, liderado pelos democratas. “Não achei adequado exigir que um governo estrangeiro investigasse um cidadão dos EUA e fiquei preocupado com as implicações para o apoio do governo dos EUA à Ucrânia”.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below