November 3, 2019 / 6:32 PM / 19 days ago

Morales convoca bases sindicais ante a ultimato de líder da oposição na Bolívia

LA PAZ (Reuters) - O presidente boliviano Evo Morales disse no domingo que convocará uma reunião de emergência com suas bases sindicais para se contrapor a um ultimato recebido de um líder regional da oposição que disse que, na segunda-feira, decidirá ações que “garantam” a saída do poder dele.

Embora as ruas da maior parte da nação andina tenham ficado quietas durante a festa do dia dos santos e dos mortos, o discurso do partido no poder e da oposição pareceu radicalizar nas últimas horas. As manifestações têm como pano de fundo a contestada reeleição de Evo Morales.

Em Santa Cruz, o centro agrícola e industrial do país, o presidente do Comitê Cívico, Luis Fernando Camacho, disse na noite de sábado que havia um prazo de 48 horas para a saída de Morales, caso contrário os adversários na segunda “vamos lá para fazer determinações e garantiremos que ele saia “.

Aos 60 anos, Morales — o presidente que ocupa o cargo há mais tempo na região desde 2006 — disse estar surpreso com as declarações de Camacho.

“Tenho informações de que amanhã eles instalarão telas grandes (em Santa Cruz), para dizer como chegarão ao Evo. Tenho muita confiança no povo boliviano e em nosso processo de mudança”, afirmou o presidente em entrevista a uma rádio indígena. de La Paz e transmitido pela televisão estatal.

No domingo “vou solicitar uma reunião de emergência com nossos líderes sindicais nacionais, a COB (Central Obrera Boliviana), Conalcam (coordenadora nacional de mudança), outros setores sociais para (...) planejar o que” fazer para lidar com o que foi dito por Camacho.

Já “nesta manhã de emergência, rapidamente, nos encontramos com o vice-presidente (Álvaro García Linera), com alguns ministros, há uma reunião permanente para fazer uma avaliação” do que aconteceu em Santa Cruz, localidade paralisada há 12 dias.

O presidente disse que todos os dias de inatividade em Santa Cruz geram perdas de 3 milhões de dólares. Nas manifestações que surgiram há duas semanas e até agora mais de 200 pessoas foram presas e duas morreram, segundo a Ouvidoria, Nadia Alejandra Cruz.

“Faço um apelo à defesa do país. Faço um apelo à oposição: não vamos confrontar os bolivianos”, acrescentou, confirmando que os pedidos de novas eleições ou sua renúncia são um plano de golpe. dos seus adversários.

Os opositores, reunidos na coalizão do Comitê de Defesa da Democracia (Conade), estavam programados para se reunir no domingo em La Paz para decidir sobre novas ações de pressão contra o governo em meio a alegações de fraude nas eleições de 20 de outubro que deram a vitória para Morales e desencadeou os protestos.

Reportagem de Daniel Ramos e Vivian Sequera

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below