January 6, 2020 / 11:06 AM / 5 months ago

Trump mantém ameaça de ataque a locais culturais do Irã e alerta para "grande retaliação"

Presidente dos EUA, Donald Trump; primeira-dama, Melanie Trump; e filho Barron voltam para Casa Branca após férias na Flórida 05/01/2020 REUTERS/Mike Theiler

A BORDO DO AIR FORCE ONE (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, manteve no domingo a ameaça de atacar locais culturais iranianos, alertando para uma “grande retaliação” se o Irã revidar pela morte de um de seus principais comandantes militares.

Trump, falando a repórteres a bordo do Air Force One, também ameaçou impor sanções contra o Iraque, um importante aliado dos EUA, depois que o Parlamento iraquiano pediu que as tropas norte-americanas deixem o país.

Trump e seus assessores têm defendido o ataque aéreo dos EUA que matou o comandante militar iraniano Qassem Soleimani, cuja morte aumentou as tensões na região.

Trump afirma que Soleimani estava planejando ataques contra norte-americanos e disse que está considerando divulgar os relatórios de inteligência que o levaram a ordenar o assassinato.

Questionado sobre uma possível vingança do Irã, Trump disse: “Se isso acontecer, aconteceu. Se eles fizerem alguma coisa, haverá uma grande retaliação”.

Trump tem dito que a operação foi conduzida para evitar uma guerra com o Irã e alertou contra novas escaladas, mas adotou uma retórica rígida em público, tuitando que os Estados Unidos têm 52 alvos iranianos, alguns “em um nível muito alto e importantes para o Irã e a cultura iraniana”, se o Irã atingir quaisquer posições norte-americanas ou norte-americanos em retaliação pela morte de Soleimani.

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, negou no domingo que Trump tenha dito que atacaria locais culturais iranianos, mas o presidente o contradisse quando perguntado sobre o assunto na noite de domingo.

“Eles têm permissão para usar bombas na estrada e explodir nosso povo, e não podemos tocar em seus locais culturais? Não é assim que funciona”, disse.

Atacar locais culturais com ação militar é considerado um crime de guerra sob o direito internacional, incluindo uma resolução do Conselho de Segurança da ONU apoiada pelo governo Trump em 2017 e a Convenção de Haia para a proteção de bens culturais, de 1954.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below