for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Sobreviventes do Holocausto lutam para recuperar propriedades na Polônia 75 anos depois

Lea Evron posa para foto em seu apartamento no Queens, em Nova York 09/01/2019 REUTERS/Shannon Stapleton

VARSÓVIA/NOVA YORK (Reuters) - Lea Evron, de 85 anos, tem apenas fragmentos de lembranças da fábrica de produtos de peles e do prédio de três andares que sua família possuía antes da Segunda Guerra Mundial em Zywiec, uma pequena cidade no sul da Polônia.

O que ela lembra claramente é o retorno após a guerra, quando a maioria de sua família foi morta no Holocausto.

Uma moradora local disse para ela e sua mãe: “Hitler prometeu se livrar de todos os judeus, e aqui eles voltam para casa”, disse Evron à Reuters em seu apartamento em Nova York.

Disseram a Evron e à mãe que elas poderiam morar no prédio, mas apenas nos aposentos das empregadas. Elas se mudaram para Israel logo depois.

Evron é apenas uma de milhares de judeus cujas propriedades familiares foram confiscadas por ocupantes nazistas da Polônia e depois mantidas por governantes comunistas do pós-guerra.

Lar de uma das maiores comunidades judaicas do mundo antes da guerra, a Polônia é o único país da União Europeia que não sancionou leis sobre restituição de propriedades.

Para tornar as coisas mais difíceis, os judeus dizem que os documentos que comprovam a propriedade foram muitas vezes destruídos no Holocausto.

Com a proximidade do 75º aniversário da libertação de Auschwitz, o campo de extermínio alemão nazista, em 27 de janeiro, eles dizem que é hora de a Polônia facilitar o processo.

“Os sobreviventes do Holocausto... não deveriam sofrer agora. Eles estão morrendo sem justiça na Polônia”, disse o marido de Lea, Jehuda Evron, de 88 anos.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up