January 31, 2020 / 6:32 PM / 5 months ago

Premiê da Escócia não descarta ir à Justiça para convocar votação consultiva sobre independência

LONDRES (Reuters) - A primeira-ministra da Escócia, Nicola Sturgeon, disse nesta sexta-feira que não descarta testar a legalidade da convocação de um referendo consultivo sobre a independência do país, se o governo conservador do primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, continuar se opondo a uma nova votação.

Primeira-ministra da Escócia, Nicola Sturgeon 31/01/2020 REUTERS/Russell Cheyne

Em declaração em Edimburgo no dia em que o Reino Unido deixa a União Europeia, Sturgeon afirmou que a dúvida sobre se o Parlamento escocês tem o poder de realizar uma votação não vinculativa sobre a independência nunca foi ao tribunal.

“Agora, se o governo do Reino Unido continuar negando o direito de escolha da Escócia, podemos chegar ao ponto em que seja necessário que essa questão seja analisada”, disse. “Eu não estou descartando isso.”

Sturgeon quer realizar outro referendo escocês, mas não pode fazê-lo sem o consentimento do governo britânico.

Ela pediu a Johnson que iniciasse negociações sobre a transferência de poder para realizar um referendo de Londres a Edimburgo, e disse nesta sexta-feira que esse passo é a melhor maneira de tirar a dúvida sobre a legalidade de uma votação.

Ela já havia sinalizado que não queria realizar um referendo ao estilo da Catalunha, organizado sem o consentimento ou reconhecimento do governo nacional.

A região espanhola declarou unilateralmente a independência em outubro de 2017, após um referendo considerado ilegal pelos tribunais, provocando a maior crise política da Espanha em décadas.

Sturgeon disse na sexta-feira que um referendo não vinculativo pode medir o apetite por uma Escócia independente.

Mas era incerto se alguém poderia ser mantido sob os poderes existentes do governo escocês, disse ela, e um teste jurídico poderia levar a causa adiante ou recuá-la.

E ainda seria necessária a transferência de poder adicional de Londres para Edimburgo para implementar qualquer resultado pró-independência, disse ela.

Por isso, ela disse que era melhor para os nacionalistas escoceses se concentrarem em construir e conquistar argumento político pela independência.

“Primeiramente, continuarei fazendo tudo o que puder para garantir um referendo este ano”, disse a premiê. “O Brexit colocou a Escócia no caminho errado. E quanto mais adiante continuarmos, mais tempo levará e mais difícil será voltar ao caminho certo. Precisamos voltar ao caminho certo o mais rápido possível.”

Uma pesquisa na quinta-feira mostrou que uma pequena maioria dos escoceses agora apoia a independência, reforçada pelo apoio daqueles que anteriormente rejeitavam uma cisão do Reino Unido, mas que agora apoiam por causa de sua oposição ao Brexit.

Em um referendo de 2014, os escoceses rejeitaram a secessão por 55% a 45%.

Reportagem de Paul Sandle

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below