for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Chefe de diplomacia da UE é criticado por falar em "síndrome de Greta"

Josep Borrell em evento na Bélgica 10/2/2020 REUTERS/Johanna Geron

BRUXELAS (Reuters) - A Comissão Europeia teve que voltar a se desculpar nesta segunda-feira por um comentário de seu chefe de política externa, Josep Borrell, que questionou o comprometimento da juventude com a luta contra a mudança climática, referindo-se a ele como “síndrome de Greta”.

Ao falar em Bruxelas na quarta-feira, Borrell disse ter dúvidas sobre o engajamento genuíno dos jovens com o combate à mudança climática, e questionou se estão dispostos a mudar seus estilos de vida para ajudar a compensar mineiros e outros que serão os mais afetados pelas medidas de corte de emissões de carbono.

“É ótimo se manifestar contra a mudança climática, contanto que não se peça a você que contribua para pagar por isso”, disse Borrell, classificando esta atitude como “síndrome de Greta”, em referência à ativista climática sueca, de 17 anos, Greta Thunberg.

Pressionado, Borrell, um socialista espanhol, se retratou mais tarde. “Quero pedir desculpas a qualquer um que possa ter se sentido ofendido por minha referência indevida ao movimento juvenil importante que combate a #mudança climática”, tuitou ele no sábado.

Diante de mais críticas nas redes sociais e de jornalistas, porém, uma porta-voz da comissão foi forçada nesta segunda-feira a repetir as desculpas de Borrell, descrevendo seus comentários como “inadequados”.

“Esperamos que com aquele tuíte... a situação esteja esclarecida”, disse Dana Spinant em uma coletiva de imprensa, acrescentando que todos os comissários apoiam jovens ativistas envolvidos na redução do impacto da mudança climática.

Por Francesco Guarascio

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up