for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Mais países terão que adotar medidas da Itália contra o vírus, diz Áustria

ZURICH (Reuters) - É apenas uma questão de tempo até que mais países europeus adotem o tipo de medidas agressivas da Itália para combater a disseminação de coronavírus, afirmou o chanceler austríaco Sebastian Kurz, neste domingo.

A Itália, vizinha ao sul da Áustria, praticamente sitiou uma faixa da sua rica região norte, neste domingo, incluindo a capital financeira Milão, em uma nova e drástica medida para tentar conter a rápida disseminação do surto.

Kurz afirmou à emissora ORF que a situação na Áustria --onde autoridades de saúde relataram 99 casos confirmados de coronavírus até agora-- estava sob controle e que as medidas adotadas eram adequadas, embora provavelmente não sejam os últimos passos necessários.

A Áustria afirmou semana passada que introduziria “pontos” de checagem em sua fronteira com a Itália por duas semanas.

É “claro” que a Áustria poderia fechar escolas, jardins de infância e universidades ou limitar grandes eventos, se necessário, afirmou Kurz, acrescentando que estava em contato com líderes de outros países europeus.

“Será importante decidir quais passos tomar. Você pode fechar escolas por uma ou duas semanas e isso é urgentemente necessário na Itália. Acontecerá em outros países europeus. A questão decisiva é quando fazê-lo”, disse Kurz.

O dilema é como evitar um pico de infecções que poderiam paralisar o sistema público de saúde sem causar tantos danos à economia, acrescentou.

“Você tem que considerar com cuidado quando adotar essas medidas porque a economia nacional não pode lidar com isso durante um período muito longo”, acrescentou.

Ele afirmou que o surto de vírus pesaria sobre o crescimento da economia austríaca, originalmente projetado entre 1,2% e 1,7% para este ano, mas não elaborou sobre o assunto.

Kurz afirmou que os pontos de checagem na fronteira com a Itália não apenas detectariam indivíduos infectados com o coronavírus, mas também reduziriam o fluxo de pessoas entre os países, diminuindo o risco de infecção.

A Áustria, na semana passada, anunciou que estava temporariamente proibindo voos do norte da Itália, assim como de outros locais em que o surto está difundido, como Irã e Coreia do Sul. A Austrian Airlines suspendeu os voos para a China até 24 de abril.

Por Michael Shields

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up