for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Crise financeira da Venezuela exacerbada por guerra de preços do petróleo e vírus

Frentista abastece veículo em posto da companhia estatal PDVSA, em Caracas 13/02/2016 REUTERS/Marco Bello

CARACAS (Reuters) - Uma guerra de preços entre os produtores mundiais de petróleo reduziu a receita da Venezuela com seu principal produto de exportação e exacerbou a crise financeira do país, que também enfrenta a pandemia do coronavírus, sanções dos Estados Unidos e queda na produção de petróleo.

Mais de 90% da receita de exportação da Venezuela vem do petróleo. O país corre o risco de gerar menos de 8 bilhões de dólares este ano, um terço dos 25 bilhões de dólares em 2019, segundo a consultoria econômica Ecoanalitica. Dois outros consultores locais também projetaram que o governo terá menos da metade dos fundos que gerenciou no ano passado.

Há três semanas, o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, classificou a ruptura do mercado de petróleo como um “golpe brutal” que reduziu o preço abaixo do custo de produção.

Na semana passada, a produção da Venezuela recuou abaixo de 700 mil barris por dia. O setor de petróleo lidou com anos de subinvestimento e falta de pessoas, e as sanções dos EUA limitaram o acesso da empresa estatal de petróleo a financiamento internacional e impediram que ela comercializasse petróleo nos Estados Unidos.

A companhia petrolífera russa Rosneft, que negociava a maior parte do petróleo da Venezuela no mercado asiático, anunciou na semana passada que seus negócios no país serão assumidos por outra companhia russa.

Essas mudanças e uma queda na demanda global de petróleo devido à pandemia aumentaram os estoques de petróleo da Venezuela no momento em que ela mais precisa vender barris.

Nem o Ministério da Informação, o Banco Central da Venezuela ou a empresa estatal de petróleo PDVSA responderam às perguntas da Reuters sobre sua receita estimada este ano.

No ano passado, Maduro reduziu os controles sobre a economia, permitindo que empresas e indivíduos faturassem dólares e operassem com maior liberdade. Agora sob quarentena, eles terão menos recursos.

Reportagem de Corina Pons e Mayela Armas

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up