for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Colômbia prorroga quarentena até 25 de maio, mas permite reabertura gradual de setores

Pessoa usam máscaras de proteção em Soacha, na Colômbia 30/04/2020 REUTERS/Luisa Gonzalez

BOGOTÁ (Reuters) - A quarentena obrigatória da Colômbia será prorrogada por mais duas semanas, enquanto o país tenta conter a disseminação do novo coronavírus, disse o presidente Iván Duque na terça-feira, embora alguns setores possam começar a voltar ao trabalho.

O país andino, que registrou mais de 8.600 casos confirmados e 378 mortes, iniciou uma quarentena nacional em 24 de março e já a estendeu duas vezes. O término da medida estava previsto para segunda-feira.

“Entre 11 e 25 de maio, estenderemos o isolamento preventivo obrigatório, mas recuperaremos o espaço para a vida produtiva”, disse Duque durante uma transmissão televisiva.

Os setores industriais e as vendas de carros e outros itens podem recomeçar a partir de 11 de maio. A manufatura e a construção já haviam sido autorizadas a voltar ao trabalho.

“Também começaremos a tomar medidas para ativar o varejo, que também terá níveis de responsabilidade e aplicação de protocolos”, afirmou Duque.

Municípios sem casos confirmados de Covid-19 também estão autorizados a reabrir gradualmente disse Duque, em esforços conjuntos entre prefeitos, governadores e o governo nacional. Grandes eventos ainda estão proibidos, assim como a abertura de bares e clubes.

Crianças com idades entre 6 e 17 anos podem sair três vezes por semana durante 30 minutos, acrescentou o presidente. Menores de 14 anos precisam estar acompanhados por um adulto que não faz parte de um grupo de alto risco.

A quarentena afetou pessoas pobres e vulneráveis em todo o país, que foram demitidas de seus empregos informais, levando a protestos em bairros da classe trabalhadora na capital Bogotá.

O governo de Duque destinou bilhões de dólares em assistência social aos pobres do país e ajuda a trabalhadores e empresas independentes, o que parece abrandar as consequências econômicas e o já crescente desemprego.

Por Oliver Griffin, Julia Symmes Cobb e Nelson Bocanegra

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up