for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Quarentena por Covid-19 tem maior impacto sobre jovens, aponta pesquisa

BRUXELAS (Reuters) - Pessoas com menos de 35 anos ficaram mais tristes e solitárias do que os adultos em decorrência da quarentena pela Covid-19, constatou uma pesquisa europeia, concluindo que a tensão de se separar de amigos e familiares estava afetando mais os jovens.

Ciclista passa por rua deserta em frente a uma loja de departamentos em Paris 30/04/2020 REUTERS/Charles Platiau

O relatório, realizado pela Fundação Europeia para a Melhoria das Condições de Vida e Trabalho a partir de uma pesquisa on-line com 85 mil pessoas no continente, constatou uma acentuada deterioração na qualidade de vida entre todas as idades.

Com a maioria dos europeus confinados em suas casas devido ao surto do novo coronavírus, 16% disseram estar solitários “o tempo todo ou a maioria das vezes” nas últimas duas semanas, contra apenas 6% que se descreveram solitários em pesquisas anteriores à crise.

O relatório da fundação observou que o efeito foi muito mais acentuado entre os menores de 35 anos, 20% dos quais agora disseram estar solitários, contra apenas 4% em tempos normais.

“Isso provavelmente implica que os jovens sentem que foram mais afetados pelas restrições do que outras faixas etárias, com eventos sociais sendo cancelados e sua incapacidade de encontrar amigos e familiares fora de casa”, explicou a Eurofound.

Os jovens adultos também relataram níveis mais baixos de felicidade e satisfação em geral, além de graus reduzidos de saúde mental em relação aos mais velhos, embora os jovens tenham maior propensão a serem otimistas sobre o futuro.

O relatório encontrou diferenças entre os países, o que pode refletir por quanto tempo as pessoas estão confinadas ou o quão grave a crise tem sido. Gregos e búlgaros relataram o menor nível de satisfação com a vida. A solidão foi mais comum entre os franceses.

Apenas 46% dos cidadãos estavam otimistas em relação ao seu próprio futuro, uma queda de 18 pontos percentuais em relação à Pesquisa Europeia de Qualidade de Vida de 2016. O otimismo ficou abaixo da média nos países mais atingidos pelo vírus, incluindo França, Itália, Bélgica e Espanha.

Um quarto dos entrevistados disse que havia perdido o emprego temporária ou permanentemente, sendo jovens os mais afetados. Metade alegou ter passado por uma redução no seu horário de trabalho.

Quase 40% descreveram sua situação financeira como pior do que antes da pandemia, cerca da metade indicou que suas famílias não conseguiam sobreviver e mais da metade relatou que não seria capaz de manter seu padrão de vida sem renda.

Por John Chalmers

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up