for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Coronavírus prejudica restaurantes pequenos e abre espaço para grandes redes

NOVA YORK (Reuters) - Vitrines em locais privilegiados esvaziadas por negócios falidos. Aluguéis mais baratos ou flexíveis. Proprietários de imóveis dispostos a dar espaço para comércios de drive-thru.

FILE PHOTO: A server holds food during the opening ceremony of a Taco Bell restaurant in Bangkok, Thailand January 22, 2019. REUTERS/Soe Zeya Tun/File Photo

Enquanto o coronavírus fecha permanentemente algumas empresas pequenas, grandes redes de fast-food como Domino’s Pizza, Chipotle e Wendy’s, que já iam bem antes da crise, querem crescer ou levar adiante planos preexistentes de expansão depois que a pandemia diminuir.

David Deno, executivo-chefe da Bloomin’ Brands, empresa pertencente ao mesmo grupo do Outback Steakhouse, disse à Reuters em uma entrevista que “não quero desejar mal a ninguém, mas haverá oportunidades imobiliárias” para novas lojas ou para relocação para áreas com “visibilidade melhor, acesso melhor e estacionamento melhor”.

A Chipotle Mexican Grill Inc, a Yum! Brands Inc, dona da Taco Bell, e a Domino’s Pizza Inc são algumas das marcas estabelecidas que planejam crescimento pós-pandemia, de acordo com seus presidentes-executivos.

“As marcas que estão se saindo bem neste ambiente deveriam ter uma oportunidade de expandir sua presença”, disse David Gibbs, executivo-chefe da Yum, em uma teleconferência de informe de rendimentos com acionistas no final de abril. “Não existe motivo para pensar que esta marca... não será um negócio de crescimento de longo prazo. E o desenvolvimento de unidades é uma parte grande disso.”

No mês de abril, as propriedades ocupadas pelo varejo coletaram menos aluguéis do que outros setores imobiliários, de acordo com uma nota emitida pelo Citi na sexta-feira após uma semana de relatórios de rendimentos de fundos de investimento imobiliário.

Os centros comerciais arrecadaram só 28% dos aluguéis e os shopping centers 60%, entre outros declínios em propriedades comerciais, revelou o Citi.

“Realmente é um momento de oportunidade para estas empresas avançarem onde querem estar”, disse Susan Wachter, professora de finanças imobiliárias da Escola Wharton da Universidade da Pensilvânia. “O cenário varejista estará aberto à realocação e à expansão das companhias cuja fatia de mercado está crescendo.”

Starbucks Corp e McDonald’s Corp também podem estar entre os que crescem, disse Kevin McCarthy, analista da consultoria Neuberger Berman.

“Estamos em um período de alguns anos em que independentes perdem e redes ganham” até 10% a 15% da fatia de mercado, disse McCarthy a respeito da indústria de restaurantes. Os vencedores desta disputa de mercado serão os modelos centrados na conveniência e na acessibilidade.

(Por Hilary Russ; reportagem adicional de Uday Sampath Kumar em Bengaluru)

Tradução Redação São Paulo, 5511 56447759 REUTERS ES

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up