for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

EUA enviam ajuda médica à Rússia em meio a aumento de casos de coronavírus

Avião militar norte-americano que levou ajuda médica para Rússia, no aeroporto de Moscou 21/05/2020 REUTERS/Evgenia Novozhenina/Pool

MOSCOU (Reuters) - Uma aeronave da Força Aérea dos Estados Unidos entregou a primeira remessa de utensílios médicos, incluindo 50 ventiladores, à Rússia nesta quinta-feira para ajudar na batalha contra um número crescente de casos e mortes.

A contagem de casos na Rússia, que tem o segundo maior número de casos no mundo, subiu para 317.554 nesta quinta-feira, após 8.849 novas infecções serem reportadas, enquanto o número de mortos subiu para mais de 3 mil após 127 morrerem nas últimas 24 horas.

Apenas os Estados Unidos têm mais infecções confirmadas. Com 3.099, o número de mortos na Rússia é mais baixo do que em muitos dos países europeus, no entanto, há um debate sobre os métodos utilizados pelo governo russo para contar os óbitos.

A Rússia afirma que seu gigantesco programa de testagem, que diz ter realizado testes em 7,8 milhões de pessoas, é o responsável pelo grande número de casos reportados, e afirma que o número contém uma grande parcela de russos que não apresentam os sintomas do vírus.

Autoridades do governo também dizem que há sinais de que a epidemia está começando a estabilizar, e que os números diários de novos casos se tornaram menores nos últimos dias.

O embaixador norte-americano John Sullivan disse que os 50 ventiladores fabricados nos Estados Unidos foram a primeira remessa de um pacote de 5,6 milhões de dólares em ajuda humanitária que será entregue à Rússia. Outros 150 ventiladores serão entregues na próxima semana, afirmou.

Moscou enviou suprimentos médicos para os Estados Unidos no mês passado.

Reportagem de Gleb Stolyarov e Anton Kolodyazhnyy

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up