for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Trabalho e casamento infantil crescem no Iêmen enquanto Covid-19 se espalha

Seguranças com máscaras de proteção em Sanaa, no Iêmen 06/05/2020 REUTERS/Khaled Abdullah

GENEBRA (Reuters) - O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur) disse nesta terça-feira que seu trabalho no Iêmen está próximo de um “ponto de ruptura em potencial” devido à disseminação do coronavírus no país assolado pela guerra, e que um número crescente de famílias está recorrendo à mendicância e ao trabalho e casamento infantis.

Cerca de 80% da população desnutrida do Iêmen depende de assistência humanitária, o que configura a maior crise humanitária do mundo mesmo antes do coronavírus.

Na semana passada, a Organização das Nações Unidas (ONU) disse que o sistema de saúde iemenita “na prática desmoronou” e que se acredita que o vírus está se espalhando pelo país, apelando por um financiamento urgente.

“Estamos chegando a um ponto de ruptura em potencial em nossos programas, se não recebermos mais fundos em breve muitos de nossos programas, e particularmente nossos programas de assistência financeira a iemenitas deslocados internamente, podem ter que parar”, disse Charlie Yaxley, porta-voz do Acnur, em um briefing virtual.

“Estamos vendo um número crescente de famílias que está recorrendo a mecanismos danosos para sobreviver, como mendicância, trabalho infantil e casamento de crianças”, acrescentou.

O Acnur oferece programas de assistência financeira a cerca de um milhão de pessoas que foram deslocadas internamente e que contam com este dinheiro para obter alimentos, remédios e abrigo, explicou ele.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up