for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Casos não diagnosticados podem indicar mais mortes por Covid-19 do que esperado na Inglaterra, diz ONS

LONDRES (Reuters) - Um aumento no número de mortes na Inglaterra e no País de Gales nos últimos meses que não foram vinculadas à Covid-19 pode indicar que casos não diagnosticados estão matando mais pessoas do que se pensava, mostraram dados do Instituto Nacional de Estatísticas Britânico (ONS, em inglês) nesta sexta-feira.

Pacientes idosos seguram as mãos durante breve visita em hospital de Cambridge 21/05/2020 Kirsty Wigglesworth/Pool via REUTERS

O Reino Unido tem o segundo maior número de mortes por Covid-19 no mundo depois dos Estados Unidos, com mais de 50 mil pessoas morrendo após casos confirmados ou suspeitos da doença, de acordo com uma contagem da Reuters a partir de fontes oficiais de dados.

Os números do ONS mostraram que houve 46.380 mortes acima do esperado entre 7 de março e 1º de maio e que pouco mais de um quarto delas --12.900-- não envolveu oficialmente o coronavírus.

No entanto, em uma análise, o ONS informou que casos não diagnosticados da doença poderiam explicar as mortes além do esperado, especialmente entre a população idosa.

“A Covid-19 não diagnosticada é uma explicação provável para algumas mortes em excesso não relacionadas à Covid-19 observadas nesse cenário, devido ao aumento da vulnerabilidade dessa população”, afirmou o ONS.

Aposentados e pessoas em casas de repouso têm sido particularmente vulneráveis à doença, e o governo do primeiro-ministro Boris Johnson foi criticado por não proteger adequadamente esse setor.

Richard Murray, diretor executivo da instituição de caridade do King’s Fund, disse que os números mostram que a assistência social, ou de assistência fora do ambiente hospitalar, deve ser levada tão a sério quanto o Serviço Nacional de Saúde.

“Esta análise confirma que o número real de mortes por Covid-19 é significativamente maior do que os números relatados até agora, com a maioria das mortes remanescentes provavelmente ligadas à Covid-19 não diagnosticado”, afirmou ele em comunicado.

Separadamente, um estudo sobre a prevalência da doença na Inglaterra mostrou mais evidências de taxas de infecção em declínio no país.

Esses dados do ONS mostraram que, em qualquer momento entre 17 e 30 de maio, uma média estimada de 0,10% da população estava com Covid-19, o que equivale a cerca de 53 mil pessoas.

O número se compara às 136 mil pessoas que foram estimadas como infectadas no início de maio.

A estimativa desta sexta-feira foi baseada em testes em 19.723 pessoas em 9.094 domicílios.

Por Alistair Smout

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up