for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Vida de George Floyd é celebrada em funeral, família pede justiça

HOUSTON (Reuters) - George Floyd, o homem afro-americano cuja morte sob custódia policial provocou uma onda de protestos contra o racismo por todo o mundo, foi exaltado nesta terça-feira como um “gigante gentil” e como um símbolo da luta dos oprimidos por Justiça em seu funeral na cidade onde foi criado.

Familiares de George Floyd durante funeral celeberado nesta terça-feira. 09/06/2020. Reuters/Godofredo A. Vasquez.

Familiares e amigos, a maioria deles vestidos de branco, falaram ao microfone e descreveram Floyd como detentor de uma personalidade amável e especial que merece Justiça após sua morte enquanto era detido por policiais de Mineápolis no dia 25 de maio.

O afro-americano de 46 anos que cresceu na cidade de Houston morreu após um policial branco ajoelhar sobre seu pescoço por 8 minutos e 46 segundos. O policial, Derek Chauvin, de 44 anos, foi acusado de assassinato em segundo grau, e outros três de auxílio e cumplicidade no crime.

A morte de Floyd foi gravada com detalhes excruciantes por um pedestre que passava no momento, e suas palavras “Eu não consigo respirar” chocaram o mundo e alavancaram uma onda de manifestações contra o racismo e a violência policial contra minorias.

A sobrinha de Floyd Brooke Williams disse em sua homenagem que atraiu aplausos do público na Igreja Fountain of Praise: “Eu consigo respirar. E enquanto eu respirar, a Justiça será feita.”

Aconselhados a se protegerem contra a pandemia do coronavírus e usarem máscaras sobre suas bocas e narizes, alguns dos presentes usavam as máscaras com as palavras “Eu não consigo respirar.”

“Isso não foi apenas uma tragédia, foi um crime”, disse o reverendo Al Sharpton, um importante líder na luta pelos Direitos Civis, no principal tributo da cerimônia, em referência à morte de Floyd.

“Até que essas pessoas paguem pelo que fizeram, estaremos lá com elas, pois vidas como a de George Floyd não importarão até que alguém pague o preço por abreviá-las.”

Cerca de 500 pessoas foram convidadas à cerimônia funeral, que também incluiu serviços na semana passada em Mineápolis e em Raeford, no Estado da Carolina do Norte, onde Floyd nasceu.

“Essa é a celebração de sua ida para casa”, disse a reverenda Mia Wright, pastora na igreja, aos presentes. Faixas apresentavam ilustrações de Floyd no estilo “pop art”, vestindo um boné, e com uma auréola sobre sua cabeça.

A cerimônia foi muito mais do que um simples velório para um ente querido falecido. A igreja foi inundada pelos sons comoventes de canções gospel e foram apresentados vídeos com memórias compartilhadas da vida do homem de 1,98m que era conhecido como “Big Floyd”.

Reportagem de Jennifer Hiller e Gary McWilliams em Houston; reportagem adicional de Gabriella Borter em Nova York

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up