for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Trump assina decreto de reforma policial após protestos contra injustiça racial

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinou nesta terça-feira um decreto que visa aprimorar as práticas policiais e disse que os norte-americanos “querem lei e ordem”, após enfrentar críticas segundo as quais suas políticas e sua retórica incendiária agravaram o abismo racial no país.

Presidente dos EUA, Donald Trump, assina decreto de reforma policial em jardim da Casa Branca 16/06/2020 REUTERS/Leah Millis

Depois de semanas de protestos contra o racismo e a brutalidade policial desencadeados pela morte de George Floyd, um homem negro de 46 anos morto em 25 de maio sob custódia da polícia de Mineápolis, Trump ofereceu uma resposta política às preocupações crescentes com a injustiça racial de olho na eleição de 3 de novembro, na qual buscará um segundo mandato.

“Os americanos querem lei e ordem, eles exigem lei e ordem”, disse Trump em uma cerimônia no jardim da Casa Branca, antes de assinar o decreto presidencial.

O presidente republicano ofereceu condolências às famílias das vítimas de episódios recentes de violência policial e de outros tipos e prometeu buscar justiça.

Em seus comentários públicos e no Twitter, Trump diversas vezes pediu a repressão dos manifestantes e enfatizou uma reação vigorosa e militarizada aos tumultos sociais provocados pela morte de Floyd e outros. Pesquisas de opinião mostraram o receio generalizado dos norte-americanos com a brutalidade policial.

O decreto presidencial incentiva os departamentos de polícia a utilizarem os padrões mais modernos para o uso da força, a aprimorarem o compartilhamento de informações para que policiais de má reputação não sejam contratados sem que seus históricos sejam conhecidos e a acrescentarem assistentes sociais às reações das forças da lei em casos não-violentos envolvendo usuários de drogas e moradores de rua, disseram autoridades.

Trump reiterou nesta terça-feira que se opõe aos clamores para se “desfinanciar” a polícia reimaginando ou até desmantelando departamentos de polícia. Democratas destacados, incluindo o provável indicado presidencial Joe Biden, não apoiaram tais clamores, mas os republicanos insistem no assunto.

A Câmara dos Deputados dos EUA, de maioria democrata, deve votar até o final deste mês uma legislação abrangente apresentada pelo Caucus Negro Congressual para combater a má conduta policial.

Senadores republicanos devem apresentar sua própria legislação na quarta-feira, concentrando-se mais na coleta de dados do que em mudanças de diretrizes em áreas que envolvem força letal.

Os democratas querem permitir que vítimas de má conduta e suas famílias processem a polícia, uma ideia à qual os republicanos se opõem.

Reportagem adicional de Doina Chiacu e David Morgan

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up